ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 26º

Política

Até defesa contestar sentença, Mariano fica em liberdade

Redação | 17/03/2008 21:38

Apesar de o TJ (Tribunal de Justiça) de Mato Grosso do Sul ter confirmado no dia 29 de fevereiro a sentença à pena de 17 anos e 9 meses ao ex-prefeito de Coronel Sapucaia, Eurico Mariano, pela morte do radialista paraguaio Samuel Román, ocorrida em abril de 2003. Mariano só deve ser preso quando o caso transitar em julgado e forem respondidos os recursos que o advogado dele, Ricardo Trad, pretende impetrar.

O advogado informou que está aguardando ser publicado o acórdão com a decisão do TJ negando a apelação contra o julgamento feito em Amambai, em agosto do ano passado, para entrar primeiramente com um recurso que visa apenas obter explicação sobre a decisão dos desembargadores. Trad considera que nem todos os questionamentos feitos em relação à decisão da primeira instância foram considerados quando da avaliação na Corte. Depois de obter essa resposta, o advogado pretende ir ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), contra o resultado do julgamento.

A defesa do ex-prefeito tentou derrubar o resultado do julgamento apresentando três questionamentos, todos rejeitados. O principal foi relacionado a uma das principais rovas contra Mariano, uma fita com a gravação do interrogatório de um dos co-réus, Cleiton Segóvia, feito pelo delegado de Campo Grande, Luiz Ojeda. Na conversa, Segovia afirma que foi Eurico Mariano quem mandou matar o radialista.

Segundo a alegação do advogado Ricardo Trad, a peça foi anexada ao processo fora do prazo e não deveria ter sido considerada para o julgamento. Segóvia foi preso em janeiro deste ano, depois de fugir após o depoimento. Mariano é o único réu condenado neste caso até agora. Ele  estava em liberdade, aguardando o recurso. Além dele, nove pessoas foram denunciadas pelo crime, a maioria cidadãos paraguaios. Dos réus, pelo menos quatro foram assassinados- três em 2005 e um no ano passado.

Mariano, segundo a acusação, era inimigo do radialista, por conta das denúncias que ele fazia contra o ex-prefeito. Ele é réu num processo junto com o traficante Luis Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, na Justiça Federal.

Nos siga no Google Notícias