ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 25º

Política

Braço direito da ministra Tereza Cristina deve entrar no governo

Articulação para confirmação do DEM na aliança partidária para ano que vem será concluída esse mês

Gabriela Couto | 09/11/2021 14:50
Ministra da Agricultura Tereza Cristina em conversa com secretário do DEM e seu braço direito, Marco Santullo. (Foto: Redes Sociais)
Ministra da Agricultura Tereza Cristina em conversa com secretário do DEM e seu braço direito, Marco Santullo. (Foto: Redes Sociais)

Faltando 11 meses para as eleições de 2022, as articulações políticas começam a ficar mais intensas entre os partidos. Depois de o governo do Estado receber a confirmação do deputado estadual Eduardo Rocha (MDB), de que está indo para o Executivo, a expectativa agora é a consolidação do nome do secretário do DEM, Marco Santullo, braço direito da ministra da Agricultura Tereza Cristina no Estado, dentro da atual administração estadual.

"Conversamos sobre o assunto. Com o Eduardo também. E ficamos de ter uma outra reunião com a ministra para confirmar", disse Santullo ao Campo Grande News. O presidente regional do PSDB e chefe da Casa Civil, Sérgio de Paula, acrescentou que "tem sim a possibilidade de ele vir para o governo, ainda esse mês".

No último fim de semana os laços entre PSDB e a ministra Tereza Cristina ficaram mais estreitos. O pré-candidato tucano ao governo do Estado, secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel, viajou com a democrata para Sidrolândia e Coxim onde cumpriram agendas oficiais.

Marco Santullo (segundo à esquerda, ao lado do secretário Eduardo Riedel e da ministra da Agricultura Tereza Cristina, em evento no domingo, em Coxim. (Foto: Guilherme Pimentel)
Marco Santullo (segundo à esquerda, ao lado do secretário Eduardo Riedel e da ministra da Agricultura Tereza Cristina, em evento no domingo, em Coxim. (Foto: Guilherme Pimentel)

Tereza tem afirmado que é pré-candidata ao Senado Federal. Existe apenas uma vaga na disputa para o cargo em 2022, com o fim do mandato de Simone Tebet (MDB). O desejo do PSDB é ter a ministra, que é deputada federal licenciada, na chapa como senadora.

Além disso, Tereza ainda está liderando a articulação do DEM para definir se o partido no Estado fica ou não no Aliança pelo Brasil, com a fusão com o PSL. A tendência é que ela siga o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que anunciou possível filiação ao PL no dia 22 de novembro.

Segov - Nem Eduardo Rocha nem Marco Santullo tiveram posições definidas dentro da administração do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). Mas vale lembrar que a Secretaria de Estado de Governo continua vaga há cerca de cinco meses, após a saída de Sérgio Murilo.

De lá para cá outro nome ligado a Tereza Cristina também foi anunciado, o do ex-presidente da Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), Ademar Silva Júnior, que em tratamento médico decidiu não assumir a pasta. Desde então, a função é exercida pelo adjunto, Flávio César.

Nos siga no Google Notícias