ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SÁBADO  18    CAMPO GRANDE 23º

Política

Câmara aprova teto ao 13º, férias de servidores e jornada de 30h para psicólogo

Além disso, vereadores aprovaram mudanças no Conselho Municipal dos Povos Indígenas

Por Cassia Modena e Caroline Maldonado | 18/04/2024 11:55
Psicólogos acompanharam votação na Câmara para pedir aprovação da jornada de 30 horas (Foto: Caroline Maldonado)
Psicólogos acompanharam votação na Câmara para pedir aprovação da jornada de 30 horas (Foto: Caroline Maldonado)

Os vereadores de Campo Grande aprovaram, nesta quinta-feira (18), projeto de lei apresentado pela prefeita Adriane Lopes (PP) para limitar as remunerações do 13º salário e férias de todos os servidores municipais ao que for recebido pelo chefe do Executivo. A medida poderá evitar que cheguem à Justiça mais casos que extrapolem esse teto.

Auditores fiscais já levam ao Judiciário pedidos para receber acima disso. Somados abonos e gratificações reivindicados por eles no cálculo das férias e 13º salário, alguns chegaram a conseguir remuneração superior à da atual prefeita. Discussões na Câmara Municipal antes da aprovação do projeto apontam que existem mais de 20 ações iguais em tramitação.

O mesmo projeto de lei fixa a jornada semanal dos psicólogos contratados e concursados pelo Município em 30 horas. Um decreto municipal assegura a jornada reduzida, mas os profissionais pediam que isso estivesse garantido em lei, para terem mais segurança de não perderem o direito.

"A categoria trabalha no atendimento a pessoas que estão em situação de sofrimento, seja na saúde, na assistência, na educação. Isso traz uma carga muito grande de trabalho, inclusive demanda estudo, de estar se atualizando. Reduzir a jornada de trabalho é também uma forma de garantir a qualidade desses serviços, porque o serviço prestado por alguém que está cansado, trabalhando 40 horas e ainda tendo que estudar se atualizar, é completamente diferente de alguém que tem a carga reduzida", defendeu na Câmara o presidente do Conselho Regional de Psicologia de Mato Grosso do Sul, Walkes Vargas.

O projeto foi aprovado em regime de urgência e deverá alterar a Lei Complementar nº 190 de 22 de dezembro de 2011.

Conselho dos Povos Indígenas - Outra aprovação em regime de urgência foi do projeto de lei que muda as regras para ser um representante do Conselho Municipal dos Povos Indígenas.

Passará a ser permitido que membros sejam pessoas físicas, e não estritamente pessoas jurídicas como associações, por exemplo. Isso estava esvaziando os bancos do conselho, como conta a atual presidente, Rute Poquiviqui.

Indígenas na Câmara, pela aprovação das alterações para participação em Conselho Municipal (Foto: Caroline Maldonado)
Indígenas na Câmara, pela aprovação das alterações para participação em Conselho Municipal (Foto: Caroline Maldonado)

"Antes eles queriam tudo jurídico. Primeiro que os caciques não faziam parte, porque cacique não é uma pessoa jurídica. Liderança indígena não é uma pessoa jurídica. Então eles não tinham assento no Conselho. Era só organização indígena e aí isso esvaziou", explica.

Rute também considera positiva outra mudança, que delimita a quantidade de caciques, lideranças, mulheres e jovens como membros do conselho. Ela avalia que dará mais equidade à entidade.

Para migrantes internacionais e refugiados - Também foi aprovado em regime de urgência pelos parlamentares o 1º Plano Municipal para Migrantes Internacionais e Refugiados.

Ele é apresentado em um documento com validade entre 2024 e 2028, que deverá ser renovado futuramente.

Com 64 páginas, o plano revisa características urbanas de Campo Grande, revisa tratados e estabelece ações para acolhimento de quem vem de fora.

Mais projetos - Os vereadores também aprovaram outros projetos que estavam na pauta do dia.

Um deles é o que altera o nome da Rua nº 10, do Loteamento Santa Maria, para Rua Sara Nossa Terra.

Outro é o que obriga tutores de cães e gatos a identificar nome e telefone nas coleiras dos pets. O projeto de lei também estipula regras de registro, de passeio, infrações e penalidades.

Os parlamentares aprovaram em segunda discussão a Semana Municipal de Sensibilização Sobre a Perda Gestacional, Neonatal e Infantil.

Em primeira discussão, foi aprovado projeto de lei que coloca a “Feira Científica” no calendário oficial de eventos de Campo Grande.

Por fim, os vereadores aprovaram ofícios da prefeitura que nomeiam membros dos conselhos regionais, municipais e tutelares.

 aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.


Nos siga no Google Notícias