ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUINTA  23    CAMPO GRANDE 34º

Política

Câmara de Ribas vai investigar vereador por suposto pedido de 'rachadinha'

Áudios sobre suposto pedido de dinheiro em troca de indicação vazaram recentemente e foram à público

Por Nyelder Rodrigues | 19/05/2021 16:23
Membros de comissão que vai investigar vereador Paulo da Pax por suposta rachadinha (Foto: Divulgação)
Membros de comissão que vai investigar vereador Paulo da Pax por suposta rachadinha (Foto: Divulgação)

Sete dos 11 vereadores que integram a Câmara Municipal de Ribas do Rio Pardo - cidade localizada a 100 km de Campo Grande - votaram na noite de terça-feira (18) pela abertura de comissão processante para investigar o suposto pedido de 'rachadinha' feito por um vereador ao ex-secretário-geral da Casa.

Realizada uma vez por mês, a sessão sempre ocorre nas noite de terça e dessa vez decidiu pela criação de grupo para apurar a situação, que veio à tona após áudio com um diálogo entre duas pessoas vazar ao público. Uma inquérito policial também já foi aberto e está sob as mãos da delegacia local.

No áudio, o ex-secretário-geral da Câmara, Pedro Henrique Gaspar, conversa com o atual presidente do Legislativo rio-pardense, Tiago Gomes de Oliveira, o Tiago do Zico (PSDB). No diálogo, o acusado de tentar a prática da rachadinha é outro vereador, Paulo Henrique Pereira da Silva, o Paulo da Pax (DEM).

O áudio começa com cumprimentos dos dois e, após Tiago questioná-lo sobre se estaria tudo bem, o presidente da Casa perguntou se ele estava se sentindo pressionado por Paulo da Pax - indicando que já havia algum rumor sobre o assunto circulando.

Depois, Tiago volta a ser enfático na pergunta sobre a rachadinha, respondida diretamente por Pedro com um "ele queria". "Fiquei dois anos aqui e nunca dei brecha", reclamou ainda o ex-secretário, exonerado do cargo no começo de março.

A reportagem não encontrou Pedro, mas em contato com Tiago, ele não nega que teve tal conversa com o ex-colega de Câmara e frisa que não sabe como houve tal vazamento, já investigado pela polícia e que não poderia se pronunciar sobre tal.

Já em contato com Paulo da Pax, o vereador afirmou não ter sido intimado sobre nada e que ficou surpreso com tal áudio, mas em seguida atacou a reportagem, dizendo que "vocês da imprensa só querem denegrir a imagem das pessoas".

Comissão - A aprovação da comissão processante veio após denúncia de quebra de decoro parlamentar em possível prática de crime contra a administração pública. Os membros da comissão foram sorteados durante transmissão ao vivo da sessão.

A composição terá os vereadores Edervânia Malta como presidente, Tania Ferreira como relatora e Anderson Arry como terceiro membro. Eles terão cinco dias úteis para notificar Paulo da Pax com cópia da denúncia e tudo que a compõe.

Em seguida, o vereador tem dez dias úteis para apresentar sua defesa. Depois, o órgão emite, em cinco dias úteis, um parecer prévio pelo arquivamento ou prosseguimento. Caso o indicativo seja contrário, o documento é enviado ao Plenário, necessitando ser derrubado pela maioria absoluta para dar seguimento à denúncia.

Se a Comissão se posicionar de forma favorável, no entanto, não há nem mesmo deliberação plenária, com a denúncia já indo direto à próxima etapa: a oitiva das testemunhas. Em seguida, a comissão emite parecer final para deliberação.

Se oito ou mais parlamentares votarem pela cassação, Paulo da Pax tem seu mandato encerrado, com a Câmara Municipal formalizando a convocação de seu primeiro suplente. Do contrário, a denúncia é arquivada e o vereador continua no Legislativo.

Votação - Votaram a favor da denúncia Ataíde Feliciano (PSC), Nego da Borracharia (PSD), Anderson Arry (PSDB), Edervânia Malta (DEM), Tania Ferreira (Solidariedade), Rose Pereira (Psol) e Tiago do Zico (PSDB).

Já contra a denúncia, votaram Pastor Isac (PTB), Luiz do Sindicato (MDB) e Cascãozinho (PSC) e o próprio Paulo da Pax (DEM). A situação supostamente envolvendo Paulo foi publicada no Campo Grande News na segunda-feira (17).

Vídeo postado originalmente no site Rio Pardo News

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário