ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 16º

Política

Câmara poderá ter quarta CPI para investigar licitação do lixo na Capital

Kleber Clajus | 20/11/2013 13:12

Na esteira da transparência o vereador Marcos Alex (PT) disse hoje que vai requerer a abertura de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a licitação da coleta de resíduos sólidos em Campo Grande. A Solurb foi declarada vencedora do processo, anulado pela Justiça no dia 18 de outubro.

“Com a proposta de CPI quero ver onde está o comportamento de transparência, doa a quem doer. Pedi cópias do processo no Tribunal de Justiça para investigar o contrato da Solurb e descobri que há inquérito em andamento na Polícia Federal”, diz Alex.

Ainda de acordo com o petista, o “surto investigativo da Câmara” deve favorecer a aprovação da proposta que seria a quarta a ser realizada neste ano.

“Precisamos saber sobre a composição da empresa e se há envolvimento de parentes do ex-gestor de Campo Grande no processo. Se havia interesse familiar na contratação da Solurb”, ressalta.

Contrato anulado – A decisão que anulou a licitação em que a Solurb saiu vencedora foi proferida no dia 18 de outubro deste ano pelo juiz Amaury da Silva Kuklinski, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande. Com isso, foi acatada ação popular, considerando que houve “óbvio direcionamento” no processo licitatório, nas palavras do magistrado.

A concorrência pública n. 066/2012, e consequentemente, o contrato da prefeitura com a Solurb, vencedora da licitação, foram cancelados. A empresa receberia R$ 1,3 bilhão da Prefeitura de Campo Grande, ao longo de 25 anos, para gestão dos resíduos sólidos na cidade.

No pregão, lançado em maio do ano passado, concorreram a HFMA Resíduos Urbanos, composto pelas empresas Heleno Fonseca Construtécnica S/A (empresa líder), Agrícola e Construtora Monte Azul, Monte Azul Engenharia e a própria CG Solurb.

Quarta CPI - Caso a proposta seja aprovada, a Câmara contabilizará quatro CPI’s no intervalo de um ano de trabalho parlamentar. A primeira delas foi à do Calote, aberta para investigar irregularidades no pagamento de empresas pela prefeitura e que deu base para a abertura da Comissão Processante.

Ainda em curso, estão as da Saúde, que trata de irregularidades no tratamento de oncologia na Capital, e da empresa mexicana Homex, que “caloteou” clientes ao não entregar apartamentos e não cumprir contrapartida com o município.

Nos siga no Google Notícias