ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  19    CAMPO GRANDE 30º

Política

Câmara tem 27 na luta por reeleição e já abre 2 vagas para renovação

Na última eleição na Capital houve uma renovação de 62% do legislativo municipal

Por Leonardo Rocha | 21/09/2020 10:07
Vereadores de Campo Grande durante sessão em maio deste ano (Foto: Divulgação - CMCG)
Vereadores de Campo Grande durante sessão em maio deste ano (Foto: Divulgação - CMCG)

A Câmara Municipal de Campo Grande tem 27 vereadores candidatos à reeleição. Com isto já se abre duas vagas para renovação na Casa de Leis, já que André Salineiro (Avante) concorre ao cargo de vice-prefeito e Vinícius Siqueira (PSL) disputa na Justiça, a oportunidade de disputar a prefeitura.

Do grupo atual de vereadores, a maioria foi em busca da reeleição, sem desistências na carreira política ou se aventurando em outros cargos. Salineiro foi uma das exceções, saindo como vice na chapa com o procurador da Justiça, Sérgio Harfouche (Avante), que é o candidato a prefeito.

Já Siqueira era o pré-candidato (prefeito) do PSL até 12 de setembro, quando foi avisado pelo deputado federal, Loester Carlos (PSL), presidente municipal da sigla, que ele estava fora do páreo na Capital.  Se sentindo “traído”, o vereador foi para disputa de votos na convenção, no entanto foi derrotado.

Com apoio da senadora Soraya Thronicke (PSL), Siqueira entrou com uma ação na Justiça Eleitoral contestando a convenção, alegando fraude na votação. Enquanto a questão não é resolvida, ele está fora do páreo para prefeito e não entrou na lista dos candidatos a vereador do PSL.

Eleitor durante votação em Campo Grande, em 2018 (Foto: Arquivo)
Eleitor durante votação em Campo Grande, em 2018 (Foto: Arquivo)

Renovação - Com este cenário, duas vagas na Câmara já estão garantidas para renovação a partir de 2021. Na eleição passada, em 2016, os eleitores de Campo Grande quiseram renovar os quadros, tanto que dos 29 vereadores, apenas 11 foram reeleitos, tendo assim uma mudança de 62% no Parlamento.

Os pré-candidatos (vereador) que estão sem mandato, citam que neste ano as dificuldades serão maiores, já que com a pandemia, as atividades nas ruas e até reuniões serão menores, por isso entendem que os políticos mais conhecidos levam “vantagem”.

Outra mudança neste ano é que estão proibidas as “alianças proporcionais”, ou seja, não pode mais as coligações entre partidos para vereadores. Desta forma a maioria das legendas lançou chapas “completas”, com 44 candidatos à Câmara Municipal.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário