ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 23º

Política

Campeã nos debates, Simone bate Ciro Gomes, fica em terceiro e faz história

Agora, a candidata tem o desafio de se manter na cena política nacional

Aline dos Santos | 02/10/2022 20:25
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade
Simone Tebet concorreu à presidência do Brasil e agora precisa se manter na cena política. (Foto: Marcos Maluf)
Simone Tebet concorreu à presidência do Brasil e agora precisa se manter na cena política. (Foto: Marcos Maluf)

O primeiro turno da corrida eleitoral para presidente do Brasil termina com uma certeza: Simone Tebet (MDB) sai com estatura eleitoral bem maior do que quando se candidatou.

Com 4,2% dos votos, a estreante na disputa presidencial não foi capaz de romper a polarização entre Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL), mas ultrapassou Ciro Gomes (PDT), que estava na quarta eleição presidencial. O pedetista ficou com 3%.

Agora, dará adeus em fevereiro de 2023 ao cargo de senadora, foi sondada para ser ministra num eventual terceiro governo de Lula e tem o desafio de seguir na cena política, principalmente no próprio partido, o MDB, onde nunca foi nome de consenso.

O caminho de Simone foi tortuoso, com as velhas conhecidas traições dentro do seu MDB. No ano passado, a parlamentar disputou a presidência do Senado, o seu partido desembarcou do projeto, mas ela seguiu de forma independente. O resultado foi a derrota para Rodrigo Pacheco, mas Simone conseguiu se projetar no Senado, desta vez na CPI da Covid.

Na disputa para a presidência do Brasil, ela se consolidou como opção da chamada terceira via, deixando para trás nomes como o ex-juiz federal Sergio Moro e João Dória, ex-governador de São Paulo. Neste aspecto, pesaram o fato de Simone ter a menor rejeição entre os eleitores e ser mulher. Os partidos são obrigados a investirem ao menos 30% dos recursos dos fundos partidário e eleitoral em candidaturas femininas.

Se apresentando como capaz de unir o Brasil e enfrentar a fome, Simone teve projeção nos debates. A senadora não se furtou a indagar Bolsonaro sobre suas declarações depreciativas às mulheres ou questionar Lula sobre corrupção.

Neste domingo, ao votar em Campo Grande, ela lamentou a polarização ideológica que “está contaminando a alma do povo brasileiro” e citou que sua candidatura foi a proposta de ser “o caminho do meio, da moderação, do diálogo”.

Natural de Três Lagoas, Simone Tebet tem 52 anos e é filha de Ramez Tebet, que foi presidente do Senado. Em 2004, a advogada foi eleita a primeira mulher prefeita de Três Lagoas, cidade importante da região leste de Mato Grosso do Sul, a 327 quilômetros da Capital.

Na sequência, Simone foi reeleita prefeita em 2008 com 76% dos votos. Tão forte nas urnas, ela deixou a prefeitura para ser vice-governadora, eleita junto com o ex-governador André Puccinelli (MDB). Depois, se elegeu senadora.

Segundo turno - Após o resultado do primeiro turno. Ela disse que já tem uma posição definida para o segundo turno, mas que aguardará a definição do partido, que deverá ser feita nas próximas 48 horas. "A minha decisão já está tomada. Eu tenho lado e vou me pronunciar no momento certo. Espero que vocês entendam.”

Reconhecendo o resultado das urnas, ela disse que a vontade soberana do povo se fez presente nas ruas. "O povo falou através do voto e nós, obviamente, acatamos a vontade soberana do povo.” Ela destacou o crescimento da campanha, que teve maior número de votos em toda a história do MDB para a presidência, desde a redemocratização.

“Esse é um feito, mas ele traz consigo uma grande responsabilidade. As urnas nos trazem uma reflexão - é preciso entender o recado das urnas. Não apenas da candidatura majoritária das urnas, mas uma reflexão sobre os candidatos.”

Nos siga no Google Notícias