ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 24º

Política

Candidato, juiz Odilon perde proteção da PF por determinação do CNJ

Decisão é do plenário do Conselho. Juiz aposentado vivia sob proteção da PF desde 1998

Izabela Sanchez | 21/08/2018 15:03
Odilon de Oliveira diz que vai recorrer da decisão do Conselho. (Foto: Arquivo)
Odilon de Oliveira diz que vai recorrer da decisão do Conselho. (Foto: Arquivo)

O plenário do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) decidiu, nesta terça-feira (21) retirar a proteção da PF (Polícia Federal) ao juiz aposentado e candidato ao governo de Mato Grosso do Sul Odilon de Oliveira (PDT). O juiz vivia com o benefício desde 1998.

A escolta, explica o Conselho, será retirada de forma gradual. A decisão segue entendimento do relator do processo, conselheiro Márcio Schiefler. “Os órgãos técnicos analisaram a situação atual do magistrado e concluíram que: ou não há substâncias nas suspeitas de ameaças ou os episódios relatados não têm relação com risco para o magistrado”, afirmou o conselheiro relator do Pedido de Providências (PP 0000274-03.2014.2.00.0000), conselheiro Márcio Shciefler Fontes.

Odilon recebe a proteção em razão de ameaças que sofria pela atuação no judiciário, ameaças ligadas ao narcotráfico em Mato Grosso do Sul. O CNJ pontua, no entanto, que Odilon aposentou-se em 2017. “Segundo órgãos técnicos de segurança pública, atualmente as supostas ameaças a sua integridade física não se sustentavam a ponto de justificar a proteção constante de agentes de Polícia Federal”, afirma o CNJ.

Candidatura – Outro ponto levantado para a decisão foi a candidatura de Odilon. “O fato de se lançar candidato ao cargo de governador representa um agravamento do risco – promovido por ele mesmo –, tendo em vista a rotina de uma campanha política. Envolve encontros com lideranças políticas, correligionários, o que não raro ocorre em rincões remotos, além da ampla divulgação da agenda. Apenas os candidatos à Presidência da República têm direito a escolta da Polícia Federal”, disse Schiefler.

Outros conselheiros defenderam a interrupção imediata. A divergência foi levantada pelo corregedor Nacional de Justiça, ministro João Otávio de Noronha. O corregedor defendeu a interrupção imediata da escolta policial, entendimento seguido pelos conselheiros Arnaldo Hossepian, Valdetário Monteiro, André Godinho, Maria Tereza Uille e Henrique Ávila.

O juiz aposentado, por meio da assessoria de imprensa, informou que vai recorrer da decisão, administrativamente e, se necessário, vai acionar o Judiciário para garantir o direito à segurança.

Odilon de Oliveira já foi notícia nacional diversas vezes por viver sob proteção. Na foto de Lucas Lima, os policiais aparecem ao fundo, em reportagem sobre a rotina do magistrado. (Foto: Lucas Lima/Revista Trip)
Odilon de Oliveira já foi notícia nacional diversas vezes por viver sob proteção. Na foto de Lucas Lima, os policiais aparecem ao fundo, em reportagem sobre a rotina do magistrado. (Foto: Lucas Lima/Revista Trip)
Nos siga no Google Notícias