ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  14    CAMPO GRANDE 29º

Política

CCJ rejeita projeto que amplia para 55 anos idade para entrar na Polícia Civil

Medida ainda precisa ser analisada por um membro da comissão; se ele rejeitar, a proposta é arquivada, do contrário, segue para o plenário

Por Mayara Bueno e Leonardo Rocha | 05/09/2017 10:39
Da esquerda à direita, deputados Rinaldo Modesto,
Beto Pereira, ambos do PSDB, Lídio Lopes, PEN,
e Pedro Kemp, PT. (Foto: Leonardo Rocha).
Da esquerda à direita, deputados Rinaldo Modesto, Beto Pereira, ambos do PSDB, Lídio Lopes, PEN, e Pedro Kemp, PT. (Foto: Leonardo Rocha).

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul rejeitou, nesta terça-feira, dia 5, o projeto de lei que amplia para 55 anos a idade para entrar na Polícia Civil.

Mesmo com a rejeição, o projeto ainda não foi arquivado. É que um dos deputados membros da comissão, Renato Câmara (PMDB), não foi na reunião de hoje e o voto dele é necessário.

Se Câmara votar a favor, a proposta vai para votação em plenário. Caso ele também rejeite, aí sim a medida é arquivada de vez. Votaram pela derrubada do projeto os deputados Lídio Lopes (PEN), Beto Pereira, Rinaldo Modesto, ambos do PSDB, e Pedro Kemp (PT).

A justificativa do relator Lídio Lopes foi que ampliação de idade, além de outros critérios de concurso público, é prerrogativa exclusiva do governo do Estado. Beto Pereira, que é líder do bloco do PSDB na casa de leis, disse que a mudança também implica no sistema previdenciário, já que, pessoas com 55 anos estão mais próximas da aposentadoria.

Até então, a lei permite que pessoas possam se candidatar no certame para policial civil até 45 anos. A proposta quer alterar, colocando a partir de 21 anos até 55.

Autor da medida, deputado Maurício Picarelli (PSDB), disse que vai ler o relatório com as justificativas dos deputados que rejeitaram a proposta para poder se posicionar. Afirmou também que, se o projeto for ao plenário, vai apresentar na tribuna seus posicionamentos.

O parlamentar justifica que a intenção é aumentar o grupo de pessoas que podem entrar na Polícia Civil, levando em conta que se aumentou a expectativa de vida, nas últimas décadas, sendo necessário então uma revisão nesta legislação

Vale lembrar que o deputado apresentou a mesma proposta em 2016, mas foi rejeitada na ocasião. Este ano, então, levou a demanda novamente para apreciação dos demais parlamentares.