ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUINTA  21    CAMPO GRANDE 22º

Política

Coffee Break ressurge em depoimento de Puccinelli e com Olarte atrás das grades

Etapa de audiências começa amanhã. Processo tem quase 18 mil páginas e 21 réus

Por Aline dos Santos | 17/05/2021 10:22
Bernal foi cassado pela Câmara em 2014 e sucedido pelo vice Gilmar Olarte (à esquerda). (Foto: Arquivo)
Bernal foi cassado pela Câmara em 2014 e sucedido pelo vice Gilmar Olarte (à esquerda). (Foto: Arquivo)

A operação Coffee Break entra amanhã (dia 18) em uma fase rumo ao desfecho: audiência ouvindo o ex-governador André Puccinelli (MDB) e o empresário Carlos Naegele. Na sexta-feira (dia 21), será a vez do ex-prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte, atualmente preso por corrupção e lavagem de dinheiro.

Todos são réus no processo que tramita na 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, denunciados respondem por improbidade administrativa na apuração sobre complô para cassar o então prefeito da Capital Alcides Bernal (PP) em 2014, que foi sucedido por Olarte.

O processo soma quase  18 mil páginas, 21 réus e 64 testemunhas. Em tempos de pandemia, as audiências serão híbridas. O depoimento dos denunciados será  presencial, colhidos numa sala especialmente montada no quarto andar do Fórum de Campo Grande. Os demais participarão por vídeo, mas, caso a testemunha prefira, também pode ir e falar presencialmente, mas de uma sala reservada.

O cronograma de audiências vai até junho. A lista de denunciados tem empresários, como João Amorim e João Baird; o presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, Carlos Augusto Borges (PSB); vereadores e ex-parlamentares.

A operação foi realizada em 25 de agosto de 2015 pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado). Em 2017, o juiz David de Oliveira Gomes Filhos aceitou denúncia por improbidade administrativa contra 28 pessoas. O pedido era de indenização de R$ 25 milhões por danos morais coletivos.

Na sequência, o TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) excluiu vários denunciados. O MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) entrou com recurso no STJ (Superior Tribunal de Justiça), que determinou o prosseguimento do processo.

Cronograma – Na terça-feira, a partir das 9h, serão ouvidos Carlos Naegele e André Puccinelli. Às 14h, os ex-vereadores Mário César e Flávio César.

Na quarta-feira, os depoimentos são de Raimundo Nonato, Luiz Pedro, André Scaff, Gilmar Nery e José Saraiva. No dia 20, o juiz ouve Carlos Augusto  Borges, Waldecy Batista, João Amorim e João Baird.

Na sexta-feira, prestam depoimento Eduardo Romero, Gilmar Olarte, Otávio Trad e João Rocha. As audiências prosseguem na segunda-feira com Edil Albuquerque, Paulo Siufi e Jamal Salem.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário