ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  16    CAMPO GRANDE 22º

Política

Com 20 emendas, deputados aprovam na CCJ texto de reforma da previdência

Das 26 emendas apresentadas, quatro foram rejeitadas. O relator apresentou um novo texto com as mudanças

Leonardo Rocha e Tainá Jara | 09/12/2019 18:00
Deputados Gerson Claro (PP), José Carlos Barbosa (DEM), Lídio Lopes (Patri), Marçal Filho (PSDB) e João Henrique Catan (PL), durante sessão da CCJ (Foto: Tainá Jara
Deputados Gerson Claro (PP), José Carlos Barbosa (DEM), Lídio Lopes (Patri), Marçal Filho (PSDB) e João Henrique Catan (PL), durante sessão da CCJ (Foto: Tainá Jara

Os deputados aprovaram o projeto da reforma da previdência na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), de forma unânime. O relator da PEC (Proposta de Emenda Constitucional), o deputado Gerson Claro (PP), apresentou um texto consolidado, juntando a matéria do governo, com as sugestões dos poderes e deputados. Das 26 emendas, quatro foram rejeitadas e duas suprimidas.

Ele havia adiantado durante entrevista ao Campo Grande News que apresentaria um “novo texto”, já com as emendas anexadas. Também garantiu “quase todo o projeto” segue as regras da lei federal, aprovada no Congresso Nacional. Houve algumas mudanças no texto inicial, entre elas a que tratava da criação da “contribuição extraordinária”, que ficou como uma possibilidade e não uma regra definitiva.

A reforma também só valerá depois de 90 dias da sua publicação, chegando ao “meio termo”, do que foi proposto pelo governo, que indicou a implantação automática e o que pediu os poderes, que sugeriram o prazo de 180 dias. Também foi colocado que para aposentadoria compulsória vai valer a idade de 70 e 75 anos aos servidores estaduais.

Os deputados Lídio Lopes (Patri), José Carlos Barbosa (DEM), João Henrique Catan (PL) e Marçal Filho (PSDB), foram a favor do relatório de Gerson Claro (PP). “Espero que com a reforma possa trazer mais competitividade, investimentos e transformação para o Estado”, disse Catan.

Já Barbosa ponderou que a proposta segue as “regras federais” e que o relatório final foi apresentado com “clareza” dentro da comissão, aperfeiçoando o texto original. “Em 20 anos a economia será da ordem de R$ 11 bilhões, o que representa por volta de R$ 500 milhões no ano”. Para ele ao longo deste período poderá ter alguns ajustes nas regras.

Desta forma, o projeto agora está liberado para seguir ao plenário da Assembleia. A intenção é começar a votação amanhã (10) e já na quinta-feira (12), ter sua aprovação em definitivo. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) disse hoje (09) que as mudanças no texto, foram apenas para adequações e que não vão atrapalhar a economia prevista pelo Executivo.

Confira abaixo os principais pontos do relatório:

Com 20 emendas, deputados aprovam na CCJ texto de reforma da previdência
Nos siga no Google Notícias