A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

06/04/2015 12:34

Com proposta de fundação, audiência debate hoje futuro do Instituto Mirim

Kleber Clajus
Professores fazem pressão por troca de comando, já prefeito quer substituir entidade por fundação (Foto: Marcelo Calazans / Arquivo)Professores fazem pressão por troca de comando, já prefeito quer substituir entidade por fundação (Foto: Marcelo Calazans / Arquivo)

O futuro do Instituto Mirim será debatido a partir das 14h, desta segunda-feira (6), em audiência na Câmara Municipal de Campo Grande. Problemas com a diretoria e prestação de contas levaram o prefeito Gilmar Olarte (PP) a propor que se crie uma fundação pública, com orçamento de R$ 8 milhões, para dar continuidade a formação e encaminhamento de jovens ao mercado de trabalho.

Conforme o presidente da Comissão Permanente de Legislação, Justiça e Redação Final, Airton Saraiva (DEM), se faz necessário entender como a entidade funciona para depois avaliar o projeto encaminhado pelo prefeito. O democrata pontua ainda que o fato de se utilizar prédios públicos e servidores cedidos deve ser acompanhado de prestação de contas, inclusive sobre o pagamento dos mirins. “A discussão maior é onde o dinheiro está sendo aplicado e não estamos acusando ninguém”.

No projeto autorizativo, encaminhado na semana passada, a prefeitura prevê substituir convênios para garantir maior “subordinação à fiscalização, controle e gestão financeira” da entidade que, desde 2009, opera como uma ONG (Organização Não-Governamental).

Paulo Pedra (PDT) avalia como positivo o retorno do comando da entidade para a prefeitura, porém lamenta “guerra política” em um processo que exige “discernimento para que se resolva a situação” com planejamento financeiro que comprove custos reais ao se aprovar a criação da fundação.

Já Mozania Campos, presidente do Instituto Mirim, declarou por meio de nota estar tranquila sobre questionamentos a serem enfrentados na Casa de Leis. Professores fazem pressão, desde o mês passado, por sua saída. Os profissionais a acusam de perseguição e assédio moral, fatos dos quais nega ter ocorrido.

Em meio a um processo de eleição na nova diretoria, Mozania pontuou que “a atual direção apenas quer concluir seu mandato que se encerra no próximo dia 15 e entregar a presidência para quem for eleito pelos associados”.

Assembleia recebe prestação de contas e fará limpeza de pauta antes do recesso
A última semana de trabalho do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul em 2017 será aberta com a audiência pública para prestação de contas do govern...
Assembleia vota prorrogação de adesão a fundo que regula incentivos fiscais
A prorrogação até 30 de dezembro do prazo para que empresas beneficiadas com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado se inscrevam no Fad...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions