ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 31º

Política

Conselho Federal da OAB pode afastar Júlio Cesar por advogar para Bernal

Zemil Rocha | 05/10/2013 11:41
Presidente da OAB, Júlio Cesar, sendo abraçado pelo prefeito Alcides Bernal (Foto: Cleber Gellio)
Presidente da OAB, Júlio Cesar, sendo abraçado pelo prefeito Alcides Bernal (Foto: Cleber Gellio)

O conjunto das lideranças da oposição ao atual presidente da seccional sul-mato-grossense Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MS), Júlio Cesar, vai ingressar na semana que vem com pedido de intervenção do Conselho Federal da entidade no órgão estadual, por considerar que o atual gestor está impedido “moralmente” de continuar no cargo em razão ter firmado contrato de advocacia com o prefeito Alcides Bernal (PP), que também é advogado e está sendo processado por problema ético.

Com a denuncia da contratação de Júlio Cesar por Bernal, do investigador pelo investigado, os opositores Alexandre Bastos, Marco Túlio, Ari Reghiant Neto, que disputaram eleição passada da OAB-MS, se uniram ontem e decidiram levar ao Conselho Federal da Ordem a situação e pedir a intervenção no órgão de Mato Grosso do Sul. Uma comitiva seguirá para Brasília na semana que vem para protocolar o pedido de intervenção.

“Dá a impressão de que misturou fiscalizado e fiscalizador”, opinou Alexandre Bastos, que cedeu o escritório para a realização da reunião, que contou a participação de cerca de 25 advogados. Bastos fez questão de esclarecer que o movimento que nasceu ontem não é oportunista ou revanchista nem tem qualquer tipo de relação com o embate político em torno da Prefeitura de Campo Grande. “Nossa movimentação, nosso sentimento é de que a imagem da advocacia esta violada, com menos valia”, sustentou.

Apesar de não ser especialista em direito tributário, o presidente da OAB-MS, Júlio Cesar, foi contratado por Bernal para entrar com ações na Justiça buscando elevar o índice de ICMS do município de Campo Grande. Pelo trabalho, ele vai receber R$ 11,2 mil menais e ainda poderá ganhar milhões caso tenha êxito nas ações contra o Governo do Estado, visto que terá direito a 15% de cada 0,0001 de acréscimo no índice do ICMS por 12 meses em 2014.

Júlio César, que é especialista em Direito Processual Civil, foi contratado sem licitação, em “regime de urgência” e com rapidez espantosa. Todo o processo de abertura de nota de empenho, justificativa para dispensar a licitação, consulta ao advogado para a prestação do serviço e a assinatura do contrato demorou cerca de 24 horas, entre os dias 31 de julho e 1º de agosto.

O fato de Júlio Cesar ser contratado pelo prefeito de Campo Grande, para Bastos, é de menor importância. “O problema é que quem contratou o presidente da OAB é advogado e está sendo processado pela Ordem, sendo que o presidente tem o poder de determinar arquivamento de processo, conforme dispõe o Art. 73, parágrafo 2º, do Estatuto”, apontou. “Não tem nada a ver com política; é questão disciplinar”, emendou.

Alexandre Bastos considera que a indignação com a assinatura do contrato é geral. “Se você perguntar para qualquer um na rua sobre a contratação do presidente da OAB depois da denuncia contra o advogado Alcides Bernal no Conselho de Ética, vai considerar errado”, desafiou Bastos. O problema, segundo ele, é o “time” da contratação. “Se fosse antes da denuncia, não teria problema. Agora, depois da denuncia, a OAB está fiscalizando o advogado Bernal”, argumentou. “E aí é uma questão moral. Nem quero entrar na questão da legalidade, até porque fiscal da lei é o Ministério Público”, ponderou. “O problema é a minha entidade; é o meu presidente que a está expondo”, acrescentou.

Apontou ainda que o Estatuto da OAB, que é lei federal, tem previsão num de seus artigos (Art. 54, VII) que o Conselho Federal pode intervir sempre que houver violação da lei ou regulamento geral. A aprovação, porém, depende da aprovação de dois terços dos delegados e é algo extraordinário. “Toda intervenção jurídica sempre se dá de maneira extraordinária e para corrigir possível defeito e enquanto persistir”, opinou Bastos.

Com a intervenção, não seria convocada imediatamente nova eleição para a OAB-MS, já que, segundo Bastos, há uma ordem sucessória natural. Nesse caso, o vice-presidente da entidade, André Xavier, assumiria a presidência da seccional sul-mato-grossense. Até agora Júlio Cesar cumpriu apenas nove meses de gestão. A próxima eleição acontecerá em dois anos.

Abandonando o contrato, Júlio Cesar poderia voltar a presidir a OAB-MS, já que a incompatibilidade estaria superada. “Tem de escolher ser advogado ou presidir a ordem, que exige a renuncia a interesse privado”, asseverou Alexandre Bastos. Indagado se, contudo, não teria ficado comprometida a moralidade exigida para o cargo de presidente da OAB, Bastou respondeu: “Ficaria comprometida; houve quebra de moralidade”.

Nos siga no Google Notícias