A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

19/04/2013 18:47

Contra “preço” por curso e filiação de infiéis, presidente deixa PHS em MS

Zemil Rocha

O presidente regional do PHS (Partido Humanista da Solidariedade), Wanderley Macedo Lima, anunciou sua renuncia ao cargo, alegando que a Comissão Executiva Nacional do partido exigiu, no ano passado, curso de até R$ 25 mil das Executivas Municipais que lançassem candidatos a vereador e ainda acolheu infiéis de outros partidos em Mato Grosso do Sul. “Dado a esse quadro de imprevisibilidade política e ética partidária, reforço meu desejo unilateral de renúncia determinada, coerente e compromissada com a clareza e retidão da minha consciência”, declarou Macedo no Ato de Renúncia, encaminhado ontem ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Segundo Wanderley Macedo, a cúpula nacional do PHS, dias antes das convenções municipais de 2012, passou a exigir “cursos obrigatórios” de formação política para as direções locais que decidissem lançar candidatos a vereador. Informou que eram “preços aviltantes”, a partir de R$ 3 mil até R$ 25 mil.

Tratava-se na verdade da venda de um DVD para ensinar o filiado a ser “político”. O valor do curso variava conforme o tamanho do município. Assim, nos extremos, para cidade até 20 mil habitantes, R$ 3 mil, e para as que tivessem mais de 300 mil habitantes, como é o caso de Campo Grande (MS), R$ 25 mil.

A guarida a inféis também descontentou Macedo. “Caba e Amim acrescentar também que não coaduno com exigências da Executiva Nacional, que insiste em que eu admita e filie ao PHS algumas pessoas e ex-dirigentes partidários que tiveram suas filiações canceladas por ato de infidelidade e, consequentemente, expulsos de suas agremiações políticas”, afirmou no Ato de Renúncia.

O PHS elegeu sete vereadores no ano passado em Mato Grosso do Sul.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions