ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUARTA  30    CAMPO GRANDE 23º

Política

Deputado quer derrubar decreto que prevê cota zero para 2020

Cabo Almi (PT) apresentou projeto de decreto legislativo, para suspender efeitos do decreto estadual que reduziu pela metade a cota permitida a pescadores amadores

Por Izabela Sanchez e Leonardo Rocha | 26/02/2019 11:12
Deputado estadual Cabo Almi (PT), autor do projeto de decreto legislativo (Foto: Leonardo Rocha)
Deputado estadual Cabo Almi (PT), autor do projeto de decreto legislativo (Foto: Leonardo Rocha)

A oposição ao governo do estado na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul quer derrubar o decreto que reduziu a cota de pesca para amadores e estabeleceu cota zero para 2020. O deputado estadual Cabo Almi (PT) apresentou, durante a sessão desta terça-feira (26), projeto de decreto legislativo com objetivo de suspender os efeitos do decreto do executivo.

Dispositivo pouco comum na Casa, o decreto legislativo pode ser proposto quando os parlamentares entendem que um decreto do governo é ilegal. O decreto legislativo tem tramitação normal, passa pelas comissões, a primeira delas a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e depois segue para votação dupla no plenário.

O deputado afirma que as novas regras atingiram diversos setores da economia estadual, a exemplo de hotéis, pousadas, comércio de iscas e alugueis de barcos. O objetivo do decreto legislativo é suspender, por 120 dias, os efeitos da normativa estadual, para que os setores se organizem. “Não pode ser de uma vez”, alegou o deputado.

Cabo Almi argumenta que o governo realize alterações de forma gradual e estabeleça redução da cota para 7 quilos em 2019, 5 quilos em 2020 e cota zero apenas em 2022. Questionado sobre a ilegalidade do decreto estadual, o parlamentar disse que o documento atinge apenas uma categoria, a dos pescadores amadores, o que configura “seleção de público” na normativa.

Líder do governo na Assembleia, José Carlos Barbosa (DEM), acredita que o projeto não avance para votação. Para ele, a oposição pode propor o projeto, mas o texto carece de “embasamento jurídico”.

O deputado afirma que o decreto do governo não apresenta ilegalidade, já que é competência do governo do estado legislar sobre meio ambiente e conservação. “Na minha opinião esse projeto do Almi pode ser arquivado inclusive na CCJ”, avaliou.

Novas regras – O governo afirma a intenção de proteger o meio ambiente e preservar as espécies ao estabelecer o decreto. Abrangente, o texto estabelece que cada pescador amador ou desportista poderá levar até cinco quilos de pescado, um exemplar de qualquer espécie e cinco exemplares de piranha (das espécies Pygocentrus nattereri e/ou Serrasalmus marginatus). Até então, podia levar 10 quilos.

A princípio, o governo estadual estudava aplicar a cota zero ainda este ano. Porém, após reuniões com pescadores e representantes do trade turístico, que apontaram já haver uma programação de pacotes fechados para 2019, resolveu adiar a medida.

A nova regra tem entre suas principais alterações o aumento do número de espécies de peixes com tamanho mínimo autorizado para retirada dos rios, de 9 para 21. Além disso, também fixa tamanho máximo para quatro espécies consideradas ameaçadas e reitera que, a partir do ano que vem, a pesca amadora e desportiva só poderá ser praticada nos rios do Estado no sistema “pesque e solte”.

Antes da divulgação do decreto, o projeto enfrentou resistência. Além de protestos na Capital, pescadores bloquearam a passagem pelo Rio Paraguai na hidrovia da fronteira com o Paraguai em Porto Murtinho. A manifestação teve apoio do empresariado local – donos de hotéis, agências, barcos de pesca, restaurantes. Com a proibição, o temor é o esvaziamento da cidade e o cancelamento de pacotes comprados porque o público não poderá deixar o Estado com os peixes tirados dos rios na temporada de pesca.

Regras de comentário