A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

03/02/2015 17:21

Deputado questiona aumento repentino na conta de água após troca de hidrômetro

Michel Faustino
Felipe Orro disse que irá encaminhar questionamento para empresa. (Foto: Roberto Higa/ALMS)Felipe Orro disse que irá encaminhar questionamento para empresa. (Foto: Roberto Higa/ALMS)

O deputado estadual Felipe Orro (PDT) questionou na manhã de hoje (03), durante seu pronunciamento na Assembleia Legislativa, o fato de estar havendo um aumento repentino no valor da tarifa de água nas residências onde os hidrômetros, utilizados para medir o consumo, foram trocados recentemente.

"Não sei o que está acontecendo. Não é possível que todos os hidrômetros antigos estivessem com defeito. Porque estão instalando uns hidrômetros que parece um ventilador, o consumo aumenta demais, em alguns casos até dobra", questionou.

Segundo o deputado, ele irá protocolar um requerimento pedindo que a empresa Águas Guariroba disponibilize o histórico de consumo das residências antes e depois da troca de hidrômetros. Orro reitera ainda que não descarta pedir que os órgãos competentes testem o novo aparelho para saber se o consumo registrado de fato corresponde com o que é gasto.

"Essa Casa precisa estar atenta. Temos que cuidar das pessoas, pelo bem-estar das pessoas, sobretudo os mais carentes. Não temos que nos preocupar com as empresas, principalmente a Águas Guariroba que tem registrado faturamento bilionário", disse.

Taxa mínima - O deputado também questionou a prática da cobrança da taxa mínima de 10 metros cúbicos, por parte tanto da Águas Guariroba quanto da Sanesul (que explora os serviços de água e esgoto nos demais municípios de Mato Grosso do Sul).

"As pessoas estão economizando, porque estão conscientes que precisam gastar menos. Mas de nada adianta. Se gasta 1, 2 metros cúbicos, e muita gente gasta pouca água porque mora sozinha, família pequena. Não adianta porque tem que pagar 10 metros cúbicos. E em cima desse consumo que não existiu, paga mais 70% para tratar o esgoto que não produziu. Então isso é abusivo, precisamos lutar para acabar com essa taxa mínima".

Outro lado – Por meio de sua assessoria de imprensa, a concessionária Águas Guariroba disse estar a disposição a qualquer questionamento a respeito de eventuais problemas nos serviços prestados e esclarece que a tendência é de que os hidrômetros mais antigos apresentem erros de registro.

Com isso, conforme a concessionária, “a troca do hidrometro antigo pelo novo incorre no aumento gradual da tarifa em decorrência do volume “real” de consumo por residência”.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions