A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

06/08/2014 12:35

Deputados afirmam que criação de novas cidades será positivo para MS

Leonardo Rocha
Márcio Fernandes afirma que novos municípios geram mais recursos e ações para população local (Foto: Divulgação)Márcio Fernandes afirma que novos municípios geram mais recursos e ações para população local (Foto: Divulgação)
Marun lembra que as novas cidades sempre melhoraram a vida da população, nunca mudou para pior (Foto: Divulgação)Marun lembra que as novas cidades sempre melhoraram a vida da população, nunca mudou para pior (Foto: Divulgação)

O deputados afirmaram hoje (06) que a criação de novos municípios em Mato Grosso do Sul, seria bom para o crescimento e desenvolvimento local, já que estas cidades teriam mais estrutura e renda para evoluir e gerar mais riquezas. Hoje o Estado conta com 79 cidades e possui distritos que já podem almejar esta emancipação.

Esta possibilidade surge após a aprovação ontem (5) do projeto de lei, no Senado, que estabelece novos critérios para criação, emancipação e fusão de municípios no país. A proposta agora segue para sanção da presidente Dilma Rousseff (PT).

O projeto foi elaborado depois que a presidente vetou de forma integral uma proposta sobre o tema no ano passado, com a justificativa de aumento nas despesas públicas com os novos municípios. A possibilidade da "derrubada" do veto, fez com que a base aliada organizasse um novo texto, com aumento de critérios para esta emancipação.

Uma das mudanças estabelecidas é a quantidade de habitantes, que teve aumento na região Sul e Sudeste que antes eram (mínima) de 12 mil habitantes, para 20 mil. Já no Nordeste era previsto 8,4 mil, subindo para uma população de 12 mil. No Centro-Oeste não houve alteração, continuando com a exigência de 6 mil pessoas.

Evolução - Os deputados ouvidos pelo Campo Grande News ressaltaram que com novos municípios, o Estado tem mais desenvolvimento e evolução na economia. "Com a população destes locais ganhando prefeitura e vereadores, surgem mais recursos e possibilidades de receita, todos serão beneficiados", afirmou Márcio Fernandes (PT do B).

A deputada Dione Hashioka (PSDB) destacou que este é o avanço que estava faltando para distritos que já possuem condições para mudança. "Tem mais possibilidades de crescimento e ações públicas para população local". Já Marcio Monteiro (PSDB) apontou que esta seria uma conquista para locais que já almejam esta emancipação há um bom tempo.

O deputado Carlos Marun (PMDB) ressaltou que se os distritos atenderem as exigências legais, não há porque não se emanciparem. "Nos novos municípios sempre houve uma melhora para população, nunca a situação mudou para o pior".

De acordo com os deputados, o distrito de Anhanduí (Campo Grande), Casa Verde (Nova Andradina) e até Itamarati (Ponta Porã) poderiam requisitar esta emancipação, pois já possuem condições para tal mudança. "A população certamente vai apoiar, pois a expectativa é de desenvolvimento e novas conquistas", disse Márcio Fernandes.

Exigências - Além do número de habitantes, o projeto aprovado no Senado aponta que o município precisa ter número de imóveis superior à média observada nos municípios que constituam os 10% de menor população do estado.

O distrito precisa apresentar a proposta na Assembleia Legislativa, com pedido assinado de 20% dos eleitores residentes no local, se a intenção for uma fusão, precisa-se 3% dos residentes de cada cidade envolvida.

Depois haverá um estudo de viabilidade financeira e populacional, depois será realizado um plebiscito para que a população decida sobre esta emancipação. Este estudo ficará sob responsabilidade do governo estadual, tendo o prazo de 180 dias para ser finalizado, após sua contratação. Caso haja uma rejeição a esta proposta no plebiscito, uma nova apuração como esta só poderá ser feita em 12 anos.

Facilidades - Além dos critérios mais restritivos, neste projeto apareceram algumas facilidades, como a exclusão da exigência do tamanho (área geográfica) mínimo para aprovação, já que antes havia norma para cada região do país.

Na questão da fusão dos municípios, se reduziu o número de assinaturas para o requerimento inicial, caindo de 10% para 3% da população da região envolvida.

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


Será sim muito positivo principalmente para estes senhores, afinal haverão mais cargos de prefeitos, vice-prefeitos, secretarias, fora os outros cargos para empregar seus muitos cupinchas...
 
Marco Aurélio Alves Queiróz em 06/08/2014 13:11:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions