ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 23º

Política

Deputados podem ser cassados por sugestão de fraude em folha de ponto

A iniciativa é de quatro advogados e deve ser protocolada na Assembleia nesta quinta-feira

Luana Rodrigues | 03/11/2016 08:56
Áudio flagrou Paulo Corrêa e Felipe Orro combinando fraude a folha de ponto de servidores da Assembleia. (Foto: Divulgação/ ALMS)
Áudio flagrou Paulo Corrêa e Felipe Orro combinando fraude a folha de ponto de servidores da Assembleia. (Foto: Divulgação/ ALMS)

Advogados devem protocolar na ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) na manhã desta quinta-feira (03), uma representação por quebra de decoro contra os parlamentares Felipe Orro (PSDB) e Paulo Corrêa (PR). Os juristas querem a cassação dos dois deputados por conta de um áudio em que combinam fraudar a folha de frequência de servidores da Assembleia.

A iniciativa é dos advogados Ilmar Renato Fonseca, Fábio Lechuga Martins, João Victor de Souza Cyrino e Priscila de Santana Anzoategui.

“O ato dos dois é extremamente atentatório ao decoro parlamentar. Muito mais grave por parte do deputado Paulo Corrêa, que propõe a ação. Mas, o deputado Felipe Orro exerce função pública, portanto foi omisso ao não denunciar o colega e isso é passível de punição. Ele tinha o dever de agir, mas não, ele se calou”, considera Ilmar Renato.

Conforme o advogado, o documento tem 14 páginas e distribui em seis partes a narração dos fatos, a legitimidade da representação e as violações ao decoro parlamentar. “Também vamos cobrar a instalação e funcionamento do Conselho de ética da Atividade Parlamentar, que até hoje não foi implantado, para que o caso seja julgado pelo conselho e não pela corregedoria”, explicou.

Na terça-feira (1º), o pedido de apuração dos fatos foi enviado pelo presidente da AL, Junior Mocchi (PMDB), à Corregedoria da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, que é presidida pelo deputado Maurício Picarelli (PSDB).

O Campo Grande News  tentou falar com os dois deputados citados, no entanto, nenhum deles atendeu às ligações.

Flagrante - Corrêa foi flagrado falando para Orro colocar um ponto de frequência, mesmo que fictício, em seu gabinete. Seria uma reação, para evitar problemas, a reportagem exibida pelo Fantástico, da Rede Globo, sobre a farra com dinheiro público nos parlamentos Brasil afora.

Na última terça, Corrêa disse ter usado o termo “fictício” de forma inadequada. Falou que queria dizer para a frequência ser manuscrita.

Picarelli afirmou que vai esperar o pedido de investigação chegar oficialmente e, desta forma, então, “abrir a apuração na corregedoria”. Ainda sugeriu que, se a presidência quiser, poderá criar uma comissão de ética para investigar a situação. “Mas seria uma decisão do presidente”.

Controle eletrônico - Diante da situação exposta com a divulgação do áudio, que teria sido gravado em junho do ano passado, Mochi também afirmou que deu autorização para abrir licitação de compra de ponto eletrônico na casa.

A sugestão foi dada por Corrêa na tribuna, inclusive. Segundo o parlamentar, ele já elaborou um modelo, anteriormente, mas “infelizmente não foi implementado”. “Agora estou com requerimento ao presidente, para que seja instalado até o fim do ano”.

Investigação - O Gaeco (Grupo de Atuação Especiual de Combate ao Crime Organizado) abriu uma apuração, que está mantida em sigilo, a princípio. O Ministério Público, instituição a qual Gaeco é subordinado, disse que só se posicionará no fim das investigações.

Nos siga no Google Notícias