ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 24º

Política

Deputados reclamam de volta de livro polêmico às escolas estaduais

Discussão que começou na Assembleia Legislativa motivou recolhimento de exemplares de ‘O Avesso da Pele’

Por Gabriela Couto | 24/04/2024 13:09
Imagem de divulgação do livro ilustrando a capa do exemplar (Foto: Divulgação)
Imagem de divulgação do livro ilustrando a capa do exemplar (Foto: Divulgação)

Maioria dos deputados estaduais que levantou a discussão que resultou no recolhimento do livro “O Avesso da Pele” não concorda com a decisão da SED (Secretaria Estadual de Educação) de devolver os exemplares para as escolas da REE (Rede Estadual de Ensino).

Desde ontem, todas as unidades começaram a receber novamente o material, com “orientações pedagógicas” para o uso. No entanto, a pasta não detalhou como o material será trabalhado em sala de aula.

Deputado estadual Rinaldo Modesto (Podemos) que apresentou o pedido de recolhimento ficou surpreso com a decisão. “Vou conversar com o governo para ver qual foi o encaminhamento. O próprio governador falou para mim que ia retirar. Eu continuo entendendo que existem mais de 70 obras que tratam desse tema. Respeito quem pensa diferente, mas ter um livro com aqueles adjetivos, não tem ponto de vista didática”, justificou.

Ele enviou mensagens para o secretário Estadual de Educação, Hélio Daher, perguntando os motivos de ‘voltar atrás’ da decisão, mas não tinha recebido uma resposta. “Vou conversar com secretário a respeito. Porque para mim, o livro está mais para contos eróticos”, acrescentou Modesto.

Para a deputada Lia Nogueira (PSDB) a decisão também foi errada. “Não é um livro apropriado para crianças de até 12 anos. Não deveria ser disponibilizado nas bibliotecas públicas. Seria algo em biblioteca privada, que adultos possam ter acesso”.

Vice-líder do governo, Pedro Pedrossian Neto (PSD) provocou os autores da decisão. “Se os favoráveis à devolução tivessem coragem de ler o trecho em plenário, teriam coragem de ler na sala de aula. Está além, não é adequado. É um erro”.

A opinião é a mesma do deputado estadual Zé Teixeira (PSDB). “Aquele livro pelo trecho que eu li, não é sobre discriminação de pele, é um despreparo para dar uma criança que não tá preparada para aquilo. Ou tirar essa parte polêmica, que não é saudável”.

Neno Razuk (PL) endossou a crítica. “Já tinha sido retirado e não deveria ter voltado. É prejudicial e um erro retornar às escolas, por conta do conteúdo e palavras usadas. Não é educativo. O trecho é suficiente para o livro ser banido”.

Já Roberto Hashioka (União Brasil) ponderou o trabalho da equipe que tomou a decisão da devolução. “Se a secretaria tomou essa decisão é porque foi através de profunda análise sobre o tema. Acolho o que os técnicos da pasta decidiram”.

Único favorável de forma declarada com a atitude do governo, presente na sessão desta quarta-feira (24), deputado estadual Pedro Kemp (PT), elogiou a decisão.

“Foi acertada. A secretaria teve o bom senso de disponibilizar o livro porque já passou por uma comissão de especialistas do MEC (Ministério da Educação) e ele recomendou o livro. É excelente o livro. Por conta de um trecho do livro que faz referência a uma relação sexual as pessoas acharam que o livro poderia ser inadequado. Esse debate prejudicou uma análise do livro como um todo. Ele trata de racismo. A secretaria dá oportunidade de o livro ser debatido de forma racional e sem paixões”, elogiou.

O assunto também foi defendido por Paulo Duarte (PSB). “Houve um critério para acima de 18 anos, foi estabelecido que essa devolução é importante. Mas algumas coisas tem que se buscar estabelecer limites. Muita gente discutiu sem nem ter lido. Eu li e tem uma página do ponto de vista mais agressivo. Mas eu digo que o Legislativo deve interferir menos na vida das famílias, quem deve definir limite são os pais. Se discute hoje muita pauta moral”.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.


Nos siga no Google Notícias