A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 20 de Agosto de 2017

06/05/2014 17:54

Desafio dos candidatos será lidar com factóides e mentiras na Internet

Zana Zaidan
Brickmann fala sobre a força da internet na campanha eleitoral de 2014 (Foto: Marcelo Victor)Brickmann fala sobre a força da internet na campanha eleitoral de 2014 (Foto: Marcelo Victor)

Prevendo que a internet terá papel central na campanha eleitoral deste ano, os candidatos terão como desafio driblar os factóides e mentiras divulgadas na rede, analisa o colunista político e especialista em gerenciamento de crises, Carlos Brickmann. O problema, acrescenta ele, é que os profissionais da área ainda não descobriram como lidar com as notícias falsas porque o eleitor não consegue filtrar as informações a que têm acesso.

“O eleitor leva a sério o que está no Facebook, nas correntes de e-mail. Nesse ponto, a internet é um monstro sem controle para o candidato”, diz Brickmann, que está em Campo Grande para ministrar palestra voltada para jornalistas. “Minimizar danos da internet é diabólico e, até agora, não conheço alguém que o tenha feito com sucesso. Uma notícia errada, em questão de minutos já está reproduzida do Oiapoque ao Chuí”, diz.

Entre os muitos casos, Brickmann cita o e-mail que conta a operação em que o filho do ex-presidente Lula, o "Lulinha", teria comprado a Fazenda Fortaleza, em Valparaíso (SP), por R$ 47 milhões. Ou os R$ 2 mil de “auxílio-prostituta”, que teria sido aprovado no Senado para garotas de programa pudessem investir em cursos de inglês ou manicure para receber turistas durante a Copa.

“É inacreditável como as pessoas acreditam em qualquer coisa. Você escreve em qualquer besteira e as pessoas compram”, comenta sobre os episódios.

 

Imagens que circulam na internet sobre Lulinha ter comprado fazenda e que, segundo Brickmann, é factóide (Reprodução/Internet)Imagens que circulam na internet sobre Lulinha ter comprado fazenda e que, segundo Brickmann, é factóide (Reprodução/Internet)
O auxílio prostituta, um dos hoax que se espalhou na  rede (Reprodução/Internet)O "auxílio prostituta", um dos hoax que se espalhou na rede (Reprodução/Internet)

Investimentos - Por causa disso, os grandes partidos já se mobilizam para disputar os votos dos usuários das redes sociais. “O PSDB já divulgou que vai contratar 9 mil pessoas só para internet. O PT juntou outro dia, só em São José dos Campos (SP), mil, o PV tem o Marcelo Branco, que é especializado nisso. E tem que ter mesmo, porque o que a internet faz é falar mal, fazer fofoca”, reforça.

Tudo contra as correntes difamatórias, e-mails apócrifos, post dos blogs, Facebook, vídeos no Youtube. Investir na campanha virtual e montar uma estratégia de comunicação nas redes sociais sai caro, avalia Brickmann, mas nada chega perto dos R$ 600 milhões que as emissoras de TV deixam de pagar em impostos por exibir o horário eleitoral gratuito, nos cálculos do consultor.

“É a salvação do candidato, já que o horário eleitoral é fabricado, e tem impacto, sim, sobre o eleitor. Ele está assistindo TV e, mesmo que tente mudar de canal, estará lá. O problema é que, em breve, vai acabar”, aposta. “O público não sabe quanto custa a propaganda, ainda não prestou atenção. Uma hora, quando descobrir, vai ficar muito bravo. E a tendência é migrar tudo para internet, onde o custo é muito menor”, acredita.

Quem assistir à palestra de amanhã, “O Jornalismo de Opinião no Brasil”, vai saber como ter opinião e, principalmente, como usá-la, promete o colunista político. “Uma forma de ter mais critério e, acima de tudo, ter responsabilidade sobre o que é dito”, finaliza.

Câmara vai homenagear 84 pessoas em sessão do aniversário de 118 anos
A Câmara Municipal de Campo Grande vai homenagear 84 pessoas em sessão solene na próxima quarta-feira (dia 23). Na ocasião, a partir das 19h, serão ...
Moreira Franco: MP das Rodovias dará segurança jurídica e resolverá problemas
O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, afirmou que a MP das Rodovias vai garantir condições de investimento nas concessões at...
Puccineli quer candidato de consenso a presidência do PMDB em MS
Só se for sem disputa. É assim que o ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), quer disputar o comando da legenda no Estado, nas ...



Muito dessas crenças absurdas em conteúdos fictícios da internet se dão pelo fato de que nossos políticos fazem coisas absurdas com uma certa frequência, um bom exemplo é um certo porto em CUBA, viaduto que não passa ônibus, entre outras coisas....
 
Janaê Pereira em 08/05/2014 10:40:06
Achei a visão do especialista um pouco apocalíptica, como futura especialista em Marketing Político não poderia deixar de comentar essa matéria. Vamos lá, a internet ao contrário do que muitos pensam não tem um papel fundamental nas campanhas eleitorais, ela não teve nem na primeira campanha de Barack Obama e olha que os EUA estão bem a frente quando se trata em comunicação. Sim ela é diferente de todos os outros meios de comunicação, afinal na web somos todos emissores e receptores de informação, acho que Marshall McLuhan , Manuel Castells e Pierre Lévy nos ajudam a entender um pouco melhor. E para combater esses "boatos" há uma técnica chamada "astroturfing" termo criado pelo senador estadunidense Lloyd Bentsen, além do direito de resposta, há uma cláusula específica para internet.
 
Marticilene Candida em 06/05/2014 21:08:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions