ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  20    CAMPO GRANDE 15º

Política

Em nome do “legado de Puccinelli”, MDB abandona base do governo

Os sete deputados do partido assumem agora posição que classificam de independente

Por Anahi Zurutuza e Leonardo Rocha | 08/05/2018 11:10
Da esquerda para a direita, os deputados Renato Câmara, George Takimoto, Antonieta Amorim e Eduardo Rocha, em anúncio sobre a saída do MDB da base aliada de Reinaldo Azambuja na Assembleia. (Foto: Leonardo Rocha)
Da esquerda para a direita, os deputados Renato Câmara, George Takimoto, Antonieta Amorim e Eduardo Rocha, em anúncio sobre a saída do MDB da base aliada de Reinaldo Azambuja na Assembleia. (Foto: Leonardo Rocha)

A bancada do MDB em Mato Grosso do Sul anunciou na sessão desta terça-feira (8) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul a decisão de abandonar a base do governo. Os sete deputados do partido assumem agora posição que classificam de independente.

O anúncio foi feito por Eduardo Rocha. Ele usou a tribuna para dizer aos outros parlamentares que o MDB “fez a sua parte”. “O partido cumpriu a missão de ajudar o Estado e nunca deixou de apoiar projetos importantes nestes três anos e meio, mas agora temos um projeto político definido e um pré-candidato ao governo”.

O deputado disse ainda que ele e os colegas de bancada vão continuar votando com responsabilidade.

Paulo Siufi também comentou sobre a debandada. “Foi uma decisão em conjunto. O partido não pode ser incoerente, não pode caminhar com dois candidatos ao mesmo tempo”, revelou sobre reunião que aconteceu nesta segunda-feira (7).

Segundo Siufi, muitas lideranças políticas estavam questionando a candidatura própria do MDB, que terá o ex-governador André Puccinelli com cabeça de chapa. “Por isso é importante marcar essa posição política neste momento”, afirmou.

Marcio Fernandes reiterou a fala de Siufi. “Agora é o momento de defender o nosso projeto político, a candidatura e legado de Puccinelli”.

Reciprocidade – Já o presidente da Assembleia e ex-presidente estadual do MDB, deputado Junior Mochi, lembrou que o partido teve o apoio do PSDB durante os mandatos de Puccinelli como governador.

“Depois de apoiar o Reinaldo no segundo turno em 2014, decidimos que deveríamos retribuir, apoiando a gestão tucana. Mas é o momento do partido, que é grande e tem sete deputados, começar a defender o seu legado para voltar ao comando”, completou.

Além de Rocha, Siufi, Fernandes e Mochi, a bancada emedebista na Assembleia conta com os deputados Antonieta Amorim, Renato Câmara e George Takimoto, recém-filiado ao partido depois de deixar o PDT. O alinhamento ao governo de Reinaldo foi estabelecido logo no início da atual gestão estadual, em 2015, estendendo a aliança à qual Mochi se referiu na última eleição.

O deputado Rinaldo Modesto (PSDB), líder do governo na Assembleia, disse que respeita a decisão do MDB, mas espera que a bancada continue ajudando o Estado nos projetos importantes.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário