A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

04/12/2012 18:38

Em reunião na quinta, PMDB tenta evitar disputa em eleição do diretório

Fabiano Arruda e Paula Vitorino
Deputado Junior Mochi lidera chapa para presidir diretório estadual. (Foto: Divulgação)Deputado Junior Mochi lidera chapa para presidir diretório estadual. (Foto: Divulgação)

Lideranças do PMDB apostam numa reunião, marcada para a próxima quinta-feira, na tentativa de evitar que a eleição do diretório estadual, que ocorre neste mês, tenha duas chapas. O encontro aguarda a volta do governador André Puccinelli e o secretário estadual de Habitação, Carlos Marun, para ser realizado.

Os principais expoentes do partido devem tentar convencer que o atual presidente da legenda, Esacheu Nascimento, lidere uma chapa como candidato à reeleição. Isso porque, de outro lado, o deputado estadual Junior Mochi já aglutina as principais lideranças peemedebistas numa chapa em que será candidato a presidente e, dessa forma, o pleito teria duas chapas, tudo o que o partido prega que não deve ocorrer para evitar “rachas”.

Nesta terça, durante a sessão na Assembleia Legislativa, Mochi confirmou que Esacheu já lançou uma chapa para ser candidato, no entanto, disse que respeita a posição. “Acima de tudo somos amigos”, afirmou o parlamentar, que é o atual vice-presidente do diretório estadual. Ele comentou que, caso Nascimento mantenha a chapa, vai ficar sem o apoio das principais lideranças do PMDB em MS.

Por outro lado, Esacheu minimiza. “Dentro do partido somos todos iguais. Vai ascender (como novo presidente) quem receber mais votos”, rebateu. Admitindo que a reunião de quinta vai selar os rumos da disputa e que a fusão das chapas será discutida, ele assegura que só sai à reeleição, mesmo se houver a união dos grupos.

“Não é possível integrar a outra chapa (de Mochi). Torço por um consenso, mas não vamos retirar minha candidatura, pois temos um projeto partidário”, destacou, ressaltando que, como presidente, ajudou o partido a expandir diretórios aos 79 municípios de MS, bem como ter o maior número de prefeitos no Estado.

“Mochi é meu amigo, tem elevada qualidade e se for possível vamos caminhar juntos”, indicou. “Mas se formos para a disputa, ela será elevada também”, completou.

A formação de dois grupos para o comando do diretório estadual do PMDB começou com uma troca de farpas entre Esacheu e o prefeito Nelson Trad Filho (PMDB). Nascimento criticou a atual de Trad como coordenador da campanha de Edson Giroto, o que gerou insatisfação. Lideranças do PMDB como o deputado federal Fábio Trad e o senador Waldemir Moka passaram a pedir a troca na presidência da legenda.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions