A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Agosto de 2017

25/05/2016 03:09

Em sessão de 17h, Congresso autoriza déficit de R$ 170 milhões ao Governo

Nyelder Rodrigues
À mesa, o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL) conduz sessão (Foto: Moreira Mariz/Agência Senado)À mesa, o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL) conduz sessão (Foto: Moreira Mariz/Agência Senado)

Após 17h de muita discussão, terminou às 2h55 (MS) a sessão do Congresso - unificado entre deputados federais e senadores - que apreciou e aprovou a ampliação da meta fiscal do Governo Federal para R$ 170,5 milhões de déficit primário. A demora se deveu porque 24 vetos presidenciais também tiveram que ser avaliados pelos parlamentares.

Sob muitos protestos da oposição, que tentou obstruir a votação de diversas maneiras alegando descumprimento de normas regimentais, os deputados aprovaram ampliação da meta por 287 votos a favor, com apenas 14 contra. A votação foi realizada por bancada. Já os senadores aprovaram a mudança em simples votação simbólica.

A sessão começou às 10h de Mato Grosso do Sul, apreciando os 24 vetos até meia-noite. A partir daí, com a pauta limpa, as discussões foram a cerca da ampliação da meta fiscal. O PT chegou a requerer a inversão da pauta para protelar a votação, porém o pedido foi negado e a votação prosseguiu normalmente.

Relator do MS - Por volta das 0h30, o primeiro a falar sobre a meta em plenário foi o relator do projeto, o deputado federal sul-mato-grossense Dagoberto Nogueira (PDT), que leu seu relatório e deu parecer favorável a alteração da meta, afirmando o valor proposto é justo e bom. Ele também relembrou que votou contra o impeachment de Dilma Rousseff (PT).

Vários senadores e deputados tiveram até cinco minutos para discursar - exceto Silvio Costa (PTdoB-PE), que exigiu 20 minutos, conforme regimento geral da Casa. O regulamento específico de votações orçamentárias dispõe sobre apenas cinco minutos para a fala de cada parlamentar.

A oposição tentou "melar" a votação argumentando que a prorrogação da sessão - que poderia ter duração máxima de 4 horas - deveria ser apreciada em plenário e não poderia ser renovada automaticamente. Além disso, foi questionado a não passagem do projeto pela Comissão de Orçamento, indo direto para o Congresso. Porém, os protestos foram ignorados.

Vetos - Três vetos foram derrubados pelos congressistas. Um deles inclui Mato Grosso do Sul: o veto a anistia de bombeiros e PMs que participaram de movimentos pedindo melhores condições de trabalho e melhores salários.

Militares do Amazonas, Pará, Acre, Maranhão, Alagoas, Rio de Janeiro, Paraíba e Tocantins também foram beneficiados. Na época, Dilma Rousseff vetou integralmente a proposta sob justificativa de que a aprovação da mesma poderia causar desequilíbrios na corporação.

Ao todo, 20 vetos, foram mantidos, entre eles, sobre o direito de mulheres serem revistadas apenas por outras mulheres em presídios, itens que foram vedados na reforma administrativa e um item que considera como crime de terrorismo destruir meios de transporte ou qualquer bem público ou privado. Apenas um foi considerado prejudicado.

Câmara vai homenagear 84 pessoas em sessão do aniversário de 118 anos
A Câmara Municipal de Campo Grande vai homenagear 84 pessoas em sessão solene na próxima quarta-feira (dia 23). Na ocasião, a partir das 19h, serão ...
Moreira Franco: MP das Rodovias dará segurança jurídica e resolverá problemas
O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, afirmou que a MP das Rodovias vai garantir condições de investimento nas concessões at...
Puccineli diz que é candidato a presidente do partido em MS se for consenso
Só se for sem disputa. É assim que o ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), quer disputar o comando da legenda no Estado, nas ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions