A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

02/10/2010 08:13

Gente comum conquista fama depois de campanha eleitoral

Redação

A campanha eleitoral em Mato Grosso do Sul manteve nomes conhecidos nas apostas de urna, mas sempre apresenta gente comum com nomes inusitados e bordões que ganham as ruas. O Campo Grande News conversou com duas "figuras" que pleiteam vagas no legislativo. Os personagens vão de um homem que faz questão de declarar a própria maluquice e outro que chega de trenó em dezembro.

O vereador de Paranaíba Maycol Henrique Queiroz Andrade, de 28 anos, deixou de ser reconhecido pelo nome de batismo. Em sua cidade, e em grande parte do Estado, o candidato a deputado federal pelo PDT virou o "Maico Doido". Depois de meses na televisão, hoje ele diz que é a sensação da criançada.

"Se as crianças de 10, 11, 12 anos votassem, eu seria o deputado federal com mais votos. Por isso, peço para eles incentivarem os pais a votarem em mim", conclama.

Quando decidiu disputar cadeira na Câmara dos Deputados, Maycol virou motivo de chacota. "As pessoas não acreditavam em mim, me revoltei e aí mandei o 'Tá tudo errado'", diz o jovem, reforçando a frase que virou seu bordão de campanha.

"O apelido veio desse meu jeito explosivo, de falar na cara, de dizer o que pensa. Sou assim mesmo", frisa com a voz entusiasmada.

Em seu primeiro mandato como vereador, Maico Doido conquistou o quarto lugar na eleição de 2008, com 1.004 votos. Antes da vida política, "Doido" vivia da venda de gado e cavalos em fazendas na região de Paranaíba.

Mesmo com a lida pesada do campo, Maycol tentou o ensino superior por três vezes. "Comecei Educação Física, mas não terminei por conta do excesso de faltas. Depois tentei Matemática, mas andava muito estressado e não conclui. Por último quis fazer Administração, mas estava muito cansado, por causa do trabalho", relata.

Em agosto deste ano, o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) barrou o uso do nome "Doido" na campanha de Maycol. Ao tomar ciência da decisão do tribunal, o candidato se revoltou. "Eu sou conhecido pela minha revolta. Revolta por terem me barrado, sou revoltado com a situação do Estado, do governo", afirma o indignado.

Mesmo sem usar o nome que, segundo ele, ajudou a elegê-lo vereador em Paranaíba, Maycol saiu beneficiado. "Eles me impedirem de chamar de Doido e acabaram me ajudando. Quem não conhecia, passou a saber quem eu sou. Hoje, onde eu passo, vem umas 20, 30 crianças correndo e gritando 'Tá tudo errado'", conta Maycol.

De acordo com a última pesquisa do Ipems, Maico Doido aparece em 7° lugar na coligação A Força do Povo, a frente de "veteranos" como Elias Ishy e Coronel Azamor.

Barba com xampu

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions