A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019

28/09/2019 15:07

Governador do RJ quer fechar fronteira com o Paraguai: “Mando policiais”

A fronteira do Paraguai com Mato Grosso do Sul é corredor para crimes, como tráfico de armas e drogas

Aline dos Santos
Wilson Witzel é mais um governador a defender fechamento da fronteira com o Paraguai. (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)Wilson Witzel é mais um governador a defender fechamento da fronteira com o Paraguai. (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), adotou tom radical em relação ao Paraguai. Ele anunciou que pretende processar o país vizinho de Mato Grosso do Sul na ONU (Organização das Nações Unidas) pelo tráfico de armas, sugeriu o fechamento da fronteira e se e se prontificou em enviar policiais do Estado para ajudar na tarefa. Conforme a Agência Brasil, as declarações foram dadas ontem (dia 27), no Palácio Guanabara, após evento com empresários.

“Vamos fechar a fronteira com o Paraguai. Não comercialmente, mas policialmente. Eu colaboro, mando policiais para a fronteira. E vou pedir a outros estados que mandem policiais para lá. Não é possível que o Brasil continue sangrando com essas armas e ninguém faça nada. Determinei à Procuradoria-Geral do Estado que iniciasse estudos para nós representarmos o Paraguai perante a ONU e a Corte Interamericana dos Direitos Humanos. O Paraguai é um grande comerciante de armas e não tem controle para quem as vende. As armas do Paraguai, dados da Polícia Rodoviária Federal, indicam que vêm pela fronteira à vontade”, disse Witzel.

Witzel afirmou que a violência no Rio de Janeiro não é responsabilidade exclusivamente do governador, mas de todos, principalmente do governo federal.

O fechamento da fronteira com Paraguai e Bolívia, corredores para o crime, é defendido, de forma reiterada, pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Fabricadas mundo afora, armas ilegais passam pelo Paraguai, ganham as vias de Mato Grosso do Sul e chegam a São Paulo e Rio de Janeiro.

Em recente entrevista ao Campo Grande News, o delegado Alan Wagner Nascimento Givigi, da Polícia Federal, disse que a facilidade na importação justifica a “preferência” pela fronteira entre Mato Grosso do Sul e o Paraguai para ingresso de armas ilegais.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions