A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

11/06/2008 09:11

Governadores divergem sobre Reforma Tributária

Redação

O governador André Puccinelli (PMDB) voltou a criticar a reforma tributária e pedir apoio de outros Estados para que a PEC 233/08 que trata do assunto, seja aprovada com modificações. A questão é discutida hoje durante encontro do Codesul (Conselho de Desenvolvimento e integração do Sul), que reúne em Campo Grande os governadores de Santa Catariana, Paraná e Mato Grosso do Sul.

Ao contrário de Puccinelli, o governador paranaense, Roberto Requião (PMDB), que administra estado industrializado, marca posição em defesa da proposta. Ele classifica o projeto de "engenhoso", diz que vai acabar com a guerra fiscal e com as disparidades na concorrência pela instalação de novas empresas.

Já Puccinelli contesta, avalia que os Estados industrializados serão os mais beneficiados caso não haja modificações na Reforma e que Mato Grosso do Sul é o mais prejudicado porque é produtor e usa os incentivos fiscais para atrair indústrias.

Conforme ele, Mato Grosso do Sul perderá 25% da arrecadação, Goiás 20% e Mato Grosso 11%. O principal ponto de divergência é sobre a cobrança de ICMS no destino do produto, não mais na origem, como ocorre hoje.

Caso essa mudança seja confirmada, empresários e governo prevêem perdas mensais de R$ 100 milhões, R$ 50 milhões só referentes ao gás boliviano que tem origem em Corumbá, mas passaria a ser tributado em estado como São Paulo, maior consumidor. O prejuízo anual pode significar R$ 1,2 bilhão a Mato Grosso do Sul.

Guerra - Puccinelli vai defender ainda que a liberdade para concessão de incentivos seja mantida até a sanção da PEC. Segundo ele, alguns governadores querem acabar com as vantagens. Ele falou ainda que todos os acordos de incentivos têm que ser cumpridos e citou como exemplo a instalação da Eucatec, que conseguiu vantagens fiscais até 2018.

O governador declarou ainda que vai defender a tributação dos produtos primários para exportação e que a reforma não incentiva os Estados produtores. Segundo ele, quatro ou cinco Estados serão beneficiados caso a reforma tributária seja aprovada sem alterações.

Puccinelli disse que caso a reforma não sofra alterações, irá acionar a bancada de Mato Grosso do Sul em Brasília para que não deixe a PEC tramitar. Também para não deixar que a Reforma seja aprovada como está, o governador vai pedir a

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions