A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

27/09/2011 07:30

Governo da Bolívia suspende obra de rodovia financiada pelo BNDES

Renata Giraldi, da Agência Brasil

De acordo com autoridades bolivianas, a rodovia é estratégica para o desenvolvimento do país. Mas ativistas combatem a obra, alegando que ela favorece grupos econômicos e prejudica o meio ambiente

Após intensos protestos de indígenas, o presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou a suspensão da construção de uma estrada que liga o país ao Oceano Pacífico, que é construída com recursos brasileiros e passa por uma reserva florestal. Anteriormente, o presidente havia informado sobre a intenção de promover um referendo para decidir sobre a construção da estrada. Mas, depois de sofrer pressão, interrompeu os trabalhos.

A estrada deve passar pela reserva de Tipnis (Território Indígena Parque Nacional Isidoro Sécure), ao lado do território brasileiro. A estimativa é que 13 mil pessoas, de diferentes comunidades indígenas, morem na região. O percurso teria cerca de 300 quilômetros e um custo aproximado de US$ 420 milhões, financiados com recursos brasileiros, segundo o governo Morales.

De acordo com autoridades bolivianas, a rodovia é estratégica para o desenvolvimento do país. Mas ativistas combatem a obra, alegando que ela favorece grupos econômicos e prejudica o meio ambiente. Ontem (26), a então ministra da Defesa, Cecília Chacón, renunciou ao cargo, informando discordar da repressão do governo aos indígenas.

Anteontem (25), cerca de 500 policiais usaram gás lacrimogêneo para dispersar o protesto, que terminou com presos e denúncias de agressões. A marcha dos manifestantes contra a obra começou em 15 de agosto, em Trinidad (Departamento de Beni), com destino à capital La Paz.

O protesto é contra a construção do segundo trecho da estrada, entre Villa Tunari, no Departamento de Cochabamba (centro), e San Ignácio de Moxos, no Departamento de Beni, próximo à fronteira com o Brasil.

Em nota divulgada antes da decisão de Morales, o Itamaraty informou ter recebido com preocupação as notícias sobre os distúrbios na Bolívia. “O governo brasileiro recebeu com preocupação a notícia da ocorrência de distúrbios em 25 de setembro, no contexto de protestos sobre a construção de trecho da estrada Villa Tunari-San Ignacio de Moxos”, diz o documento.

A nota do Itamaraty acrescenta que “o governo brasileiro está confiante que o governo boliviano e diferentes setores da sociedade boliviana continuarão a favorecer o diálogo e a negociação na busca de um entendimento sobre o traçado da rodovia, tomando em conta as normas internas do país e práticas internacionais relevantes, em benefício do desenvolvimento e da estabilidade da Bolívia”.

A nota conclui que “o governo brasileiro confirma que sua disposição de cooperar com a Bolívia no contexto da obra se desenvolve no entendimento de que se trata de projeto de grande importância para a integração nacional e que atende aos parâmetros relativos a impacto social e ambiental previstos na legislação boliviana”.

*Com informações da agência pública de notícias da Bolívia, a AVN, e da BBC Brasil.//

Presidente Michel Temer deve ter alta na manhã desta sexta-feira
O presidente Michel Temer deverá ter alta hospitalar na manhã desta sexta-feira (15), informou o médico Roberto Kalil Filho, que coordena os cuidados...
Interrogatório de Lula na Operação Zelotes é marcado para fevereiro de 2018
A Justiça Federal em Brasília marcou para o dia 20 de fevereiro de 2018 os interrogatórios do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de seu filho ...
Senado aprova desconto de dívidas de produtores rurais e texto segue para sanção
O Senado concluiu a votação, nesta quinta-feira (14), do projeto que permite a renegociação das dívidas de produtores rurais, estabelecendo descontos...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions