A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Novembro de 2019

28/10/2019 21:47

Indefinição continua e só um vereador investigado vai à sessão da Câmara

Cirilo Ramão, do MDB, foi o único a comparecer na sessão desta segunda à noite

Helio de Freitas
Cirilo Ramão discursa na sessão desta noite na câmara de Dourados (Foto: Divulgação)Cirilo Ramão discursa na sessão desta noite na câmara de Dourados (Foto: Divulgação)

O impasse continua na Câmara de Dourados, cidade a 233 km de Campo Grande. Na sessão da noite desta segunda-feira (28), apenas o vereador Cirilo Ramão (MDB) compareceu. Idenor Machado (PSDB) e Pedro Pepa (DEM) faltaram mais uma vez.

Desde que foram reconduzidos aos mandatos pelo Tribunal de Justiça, entre o final de setembro e o início de outubro, os três vêm se revezando nas sessões. O motivo é que entre as medidas cautelares impostas pelo TJ para que os três permaneçam em liberdade, eles não podem manter contato com outros investigados (inclusive os próprios vereadores) e com testemunhas do processo.

Na Câmara há servidores arrrolados como testemunhas na ação penal oriunda da Operação Cifra Negra, que levou dez pessoas para a cadeia em dezembro de 2018, entre elas os três vereadoresA defesa dos vereadores apresentou embargos de declaração ao TJ pedindo para o tribunal esclarecer se eles podem frequentar as sessões sem risco de serem presos de novo. Entretanto, o TJ ainda não se manifestou.

Na sessão de hoje à noite foi lido em plenário o pedido de Idenor Machado para que as faltas dele sejam abonadas até haver decisão do TJ. O presidente da Câmara Alan Guedes (DEM) disse que o pedido agora será analisado pela mesa diretora e pela assessoria jurídica. Se for negado, os verr só vão receber salário proporcional às sessões em que estiverem presentes ou tenham apresentado atestado médico.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions