ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 24º

Política

Juiz rejeita ação contra nomeação citando liminar que favoreceu Mercadante

Carneiro Júnior e outro servidor tiveram nomeações questionadas com base na Lei das Estatais

Por Maristela Brunetto | 10/04/2024 14:05
Carneiro foi nomeado pelo Conselho de Administração e comandou empresa por 4 anos (Foto: Arquivo/ Sanesul)
Carneiro foi nomeado pelo Conselho de Administração e comandou empresa por 4 anos (Foto: Arquivo/ Sanesul)

O juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, Marcelo Ivo de Oliveira, rejeitou pedido do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) contra nomeações de Walter Carneiro Júnior e Helianey Paulo da Silva a cargos de dirigentes da Sanesul e apontou como fundamentação decisão proferida no ano passado que reforçou a nomeação do ex-ministro Aloizio Mercadante no comando do BNDES.

Em março do ano passado, o então ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandovski, atual ministro da Justiça e Segurança Pública, concedeu liminar pontuando que a vedação prevista na Lei das Estatais referia-se a dirigentes partidários.

O magistrado incluiu trecho da liminar na sentença rejeitando as alegações do MP contra os dois nomes, que antes de assumirem a Sanesul atuavam na Secretaria Estadual de Governo e Gestão Estratégica. Carneiro foi nomeado diretor-presidente da Sanesul e Silva, diretor de Engenharia e Meio Ambiente. Os nomes foram aprovados pelo Conselho de Administração e as nomeações ocorreram em janeiro de 2019.

Carneiro ficou quatro anos no comando da empresa. Nas últimas eleições, concorreu a deputado federal. Hoje ele é adjunto de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação.

Segundo trecho da sentença, publicada nesta quarta-feira, o ministro realizou “interpretação conforme à Constituição ao inciso II do § 2° do art. 17 do referido diploma legal para afirmar que a vedação ali constante limita-se àquelas pessoas que ainda participam de estrutura decisória de partido político ou de trabalho vinculado à organização, estruturação e realização de campanha eleitoral, sendo vedada, contudo, a manutenção do vínculo partidário a partir do efetivo exercício no cargo”.

Carneiro apresentou defesa na ação apontando que desconhecia que seu nome continuava vinculado à direção do PSB, posição que ocupou de forma temporária em uma gestão provisória anos antes do período sob análise. Conforme a defesa apontou, após tomar conhecimento por meio da ação, procurou dirigentes do partido para pedir a regularização. Silva também apontou que não haveria descumprimento da Lei das Estatais com a sua nomeação para a Sanesul.

A chamada “quarentena” invocada pelo MP, com base na lei criada para impedir influência política em empresas públicas, prevê um intervalo de 36 meses entre a saída de posições políticas e ocupação de cargos executivos. O assunto foi parar no STF por meio de ação direta de constitucionalidade apresentada pelo PCdoB, que queria uma interpretação do texto da lei conforme a Constituição Federal diante do debate surgido com a indicação de Mercadante para o banco.

Esse julgamento ainda está em curso. Lewandowski analisou o pedido de liminar em março do ano passado, em novembro houve voto de André Mendonça defendendo a constitucionalidade da legislação e desde o final do ano o processo está com Nunes Marques, que pediu vistas.

Segundo o STF divulgou à época da análise da liminar, o então relator pontuou que “apesar das louváveis intenções de evitar o suposto aparelhamento político das estatais, a exigência acabou criando discriminações desproporcionais contra pessoas que atuam na esfera governamental ou partidária, sem levar em conta nenhum parâmetro de natureza técnica ou profissional que garanta a boa gestão.”

Ele considerou que a quarentena deveria ficar reservada a dirigentes partidários e quem atuou em organização, estruturação e realização de campanha eleitoral, “sendo vedada, contudo, a manutenção do vínculo partidário a partir do efetivo exercício no cargo”.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.


Nos siga no Google Notícias