ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, TERÇA  22    CAMPO GRANDE 19º

Política

Justiça Eleitoral determina retirada de outdoors de Chico Maia das ruas

Decisão segue argumentos da Procuradoria Regional Eleitoral, que considera divulgações uma forma de propaganda eleitoral antecipada, onde aparece a imagem do pré-candidato

Por Leonardo Rocha | 20/07/2018 16:15
Outdoor resgata jingle de campanha de Chico Maia (Foto: Saul Schram/Arquivo)
Outdoor resgata jingle de campanha de Chico Maia (Foto: Saul Schram/Arquivo)

A Justiça Eleitoral acatou pedido do MPF (Ministério Público Federal) e determinou a retirada de outdoors colocados pelo então pré-candidato ao Francisco Maia (Podemos), nas ruas de Campo Grande. Maia, que já desistiu da candidatura, tem prazo de 48 horas, sob multa diária de 1 mil por exposição, além de pagamento (multa) de R$ 5 a R$ 25 mil por propaganda (outdoor) divulgada.

A decisão seguiu os argumentos da Procuradoria Regional Eleitoral, que considera estas divulgações uma forma de propaganda eleitoral antecipada, onde aparece a imagem do pré-candidato em Campo Grande e no interior. Chico Maia inclusive revelou ontem (19), que pode não participar mais do pleito eleitoral. Ele estava na chapa de Odilon de Oliveira (PDT).

Esta ação do MPF foi a primeira contra abuso de eventuais candidatos nesta campanha, que começa de forma oficial dia 16 de agosto, após as convenções e registro das candidaturas no TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul).

Entre os outdoors tem alguns com as imagens do ex-presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) e o texto: “Chico Maia. Palestra. O setor produtivo e o mecanismo. Ligue e agende: 67 3305 6347”. Além de outros com: “Maia Aqui Maia Acolá”.

Propaganda - O Ministério Público explicou que esta forma de propaganda é vedada pela legislação eleitoral, seja na pré-campanha ou na própria campanha. De acordo com a entidade, a empresa responsável pela veiculação dos outdoors informou que foram gastos R$ 47,4 mil, com as propagandas. Os painéis divulgados na Capital teriam custado em média R$ 600, enquanto os divulgados no interior R$ 200.

A Procuradoria inclusive fez pesquisa e chegou a conclusão que a veiculação de painel deste tipo custaria em média R$ 2 mil por duas semanas, por esta razão as despesas podem chegar até a R$ 192 mil. “Seria um contrassenso e feriria o critério teleológico de interpretação permitir gastos, sem controle ou limitação, na fase de pré-campanha”, disse a entidade.