ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 24º

Política

Lama Asfáltica vai investigar denúncia feita por Delcídio no acordo de delação

Paulo Yafusso | 14/05/2016 08:56
Denúncias feitas pelo ex-senador Delcídio do Amaral em delação será investigada na Lama Asfáltica (Foto: Arquivo)
Denúncias feitas pelo ex-senador Delcídio do Amaral em delação será investigada na Lama Asfáltica (Foto: Arquivo)

A próxima etapa da investigação da Operação Lama Asfáltica deverá chegar ao ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido), que teve o mandato cassado pelo Senado nesta semana. A apuração a ser feita pela PF (Polícia Federal) e a CGU (Controladoria-Geral da União) é com relação ao acordo de delação premiada assinada com a PGR (Procuradoria-Geral da República), em que ele faz referência a esquema de propina envolvendo o Ministério dos Transportes e políticos de Mato Grosso do Sul.

À página 76 do acordo de delação, consta que “Delcídio do Amaral tem conhecimento de que através de um 'jogo combinado' entre o então Ministro dos Transportes Alfredo Nascimento, o ex-governador André Puccinelli e seu secretário Edson Giroto, foi realizado um 'acordo' ilícito a fim de promover uma descentralização de todos os investimentos federais no estado, de forma a facilitar a arrecadação de propinas”.

Ainda conforme o documento, Edson Giroto ficou responsável por operacionalizar esse esquema, “sendo que a propina arrecadada era repassada aos PR e ao PMDB” e de que o dinheiro serviu para “irrigar” campanhas desses dois partidos em Mato Grosso do Sul. Na delação, o ex-senador diz que ficou sabendo do esquema pelo próprio Edson Giroto.

Amaral dá pistas ainda de que a PG e a CGU terão coisas ainda a descobrir sobre o que está sendo investigado na Lama Asfáltica, pois “o escândalo foi descoberto apenas em alguns pontos” e afirma que a Operação Lama Asfáltica “aparentemente vem enfrentando dificuldades em avançar nas investigações”.

Edson Giroto e outras 14 pessoas foram presas temporariamente na Operação Fazendas de Lama, na última terça-feira (10). Desses, três mulheres conseguiram o benefício de cumprir a prisão em regime domiciliar, e o servidor da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), Edson Yudi Komiyama, foi solto na tarde desta sexta-feira (13).

As mulheres beneficiadas pela prisão domiciliar são a mulher de Giroto, Rachel Rosa de Jesus Portela Giroto, Elza Cristina Araújo dos Santos, sócia de João Alberto Krampe Amorim dos Santos na Proteco, e Mariane Mariano de Oliveira, filha do servidor da Agesul Wilson Roberto Mariano, o Beto Mariano. As prisões temporárias vencem à meia-noite de amanhã.

Nos siga no Google Notícias