ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEXTA  22    CAMPO GRANDE 23º

Política

Lula diz que integração é “necessidade vital” para América Latina

Por Vinícius Squinelo | 12/11/2013 23:29
Lula discursou em Corumbá (foto: Diário Corumbaense)
Lula discursou em Corumbá (foto: Diário Corumbaense)

O ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, declarou em Corumbá, na noite da terça-feira, 12 de novembro, que a integração entre os países latino-americanos não é opção dos governos, mas uma “necessidade de sobrevivência” para os povos desses países. De acordo com Lula, somente os países que formam o Mercosul, reúnem riquezas que tornam o bloco uma potência não apenas econômica, mas social e cultural.

Segundo informações do Diário Corumbaense, Lula reforçou que unidos, esses países terão uma enorme força econômica. “O Mercosul tem 19,6% das reservas de petróleo do mundo, isso sem contar o pré-sal. Tem ainda 3,1% das reservas de gás natural, ainda sem a Bolívia”, detalhou durante a palestra para aproximadamente 1,5 mil pessoas no anfiteatro Salomão Baruki.

“Os países do Mercosul tem 12 milhões e 789 mil quilômetros quadrados, isso significa três vezes o território da União Europeia. Temos uma população conjunta de 275 milhões de habitantes e o PIB do Mercosul é de 3 trilhões e 500 bilhões de dólares e isso não é pouca coisa”, afirmou o ex-presidente ao justificar a necessidade de formação de um bloco que abranja todos os países da América Latina. “Não é possível querer ser grande, desenvolvido, se não elaborarmos políticas conjuntas com países da América do Sul e Latina”, afirmou, ainda conforme o Diário Corumbaense.

Lula destacou que ao longo de seus oito anos no comando da Presidência da República trabalhou para fortalecer a América do Sul. “Trabalhei contra a ALCA (Área de Livre Comércio das Américas) porque as tratativas dos Estados Unidos não levavam em conta os países menores. Tentei ainda integrar com a África”, disse. A ALCA foi uma proposta feita pelos Estados Unidos, com o objetivo de eliminar as barreiras alfandegárias entre os 34 países americanos, exceto Cuba, formando assim uma área de livre comércio. A estratégia era de gradualmente suprimir as barreiras ao comércio entre os estados-membros, prevendo-se a isenção de tarifas alfandegárias para quase todos os itens de comércio entre os países associados.

Lideranças da cidade estiveram presentes no evento (foto: Diário Corumbaense)
Lideranças da cidade estiveram presentes no evento (foto: Diário Corumbaense)

Cultural - Para o ex-presidente brasileiro, o caminho do desenvolvimento passa efetivamente pela união dos países. Essa aliança multilateral beneficiaria o povo de cada nação. “Integração é criar irmandade entre nós, não é usar a fronteira como um obstáculo. A integração deve ser feita por necessidade de sobrevivência do nosso povo e não por opção. Para mim, ela independe de mandato presidencial, é necessidade vital”, declarou ao afirmar que mesmo fora da Presidência da República, esse tema é defesa recorrente em suas viagens pelo Brasil e pelo mundo.

“A integração não é só fazer carreteras (estradas), pontes, hidrovias. Tem que ser cultural e social, disse, ainda segundo o Diário.

União - Ao destacar o papel do Brasil em liderar esse processo de integração, Lula justificou que o país precisa olhar para seu interior, para suas fronteiras e consequentemente para os países que o circundam na América do Sul. “Temos mais de 15 mil quilômetros de fronteiras, que em 500 anos foram tratadas de forma secundária. É mais que o dobro dos nossos 8 mil quilômetros de costa”, argumentou ao explicar a importância de contato mais intenso com países vizinhos. “Fomos educados para não dar importância aos países da América do Sul porque eram países pobres”.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário