ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEXTA  30    CAMPO GRANDE 23º

Política

Mesmo com pandemia, TRE não acredita em queda de eleitores nas urnas

Justiça Eleitoral adotou uma série de medidas para tornar "eleição segura" na pandemia

Por Leonardo Rocha | 25/09/2020 12:51
Eleitores durante votação em Campo Grande, em 2018 (Foto: Arquivo)
Eleitores durante votação em Campo Grande, em 2018 (Foto: Arquivo)

Com as medidas e protocolos de biossegurança, o TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de MS) espera que não haja redução de eleitores nas urnas, em função da pandemia do coronavírus. No entanto admite que em relação ao “grupo de risco”, será uma decisão pessoal de cada um ir para votação.

“Nossa esperança é que tenha uma quantidade razoável de eleitores para participar do processo democrático, para isto estamos usando todos os caminhos necessários para dar segurança a eles”, descreveu o juiz eleitoral, Daniel Castro, que representou o TRE-MS, em evento promovido pelo Sebrae.

Ele citou que todas as medidas de saúde públicas estão sendo tomadas, para garantir este “ambiente seguro” nos locais de votação. “Todos os protocolos (segurança) que estão sendo feitos pela Justiça Eleitoral é para dar segurança aos mesários, servidores e eleitores”, acrescentou.

O juiz reconheceu que será uma “decisão pessoal” dos integrantes do “grupo de risco” ir ou não aos locais de votação. “A pessoa vai ter que se sentir segura para participar do processo”. A eleição deste ano inclusive já foi adiada devido a pandemia. Ela iria ocorrer em 3 de outubro e agora passou para 15 de novembro.

Equipamentos de proteção que chegaram ontem (24) ao TRE-MS (Foto: Silas Lima)
Equipamentos de proteção que chegaram ontem (24) ao TRE-MS (Foto: Silas Lima)

Medidas – Já foram entregues duas carretas de equipamentos de proteção individual ao TRE-MS, que vai entregar os itens aos mesários, auxiliares, servidores e também usar os produtos nas sessões de votação.

O mesário terá à disposição em sua mesa, um frasco de álcool em gel e outro em líquido, para limpar o local, além de máscara “face shield” e cirúrgica. As mesas também irão respeitar a distância de um metro e meio.

Já os eleitores terão que ir de máscara para votação, levar seu título e documento com foto, além de uma caneta própria. Chegando ao local deverá fazer a higienização das mãos (álcool em gel) na entrada, depois vai mostrar o título, sem entregá-lo ao mesário. A assinatura do documento será com sua caneta. Na hora de sair, novamente deve passar álcool em gel.

Serão fixados adesivos para marcar a distância entre os eleitores, se houver fila nas sessões eleitorais. “Todas estas medidas seguiram consultoria de entidades e hospitais de referência, para que a eleição seja segura”, ponderou Sérgio Roberto da Silva, secretário de Administração e Finanças do TRE-MS.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário