A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

10/09/2012 21:52

Ministro Joaquim Barbosa condena nove réus do mensalão por lavagem de dinheiro

Débora Zampier, da Agência Brasil

Em um voto que tomou toda a tarde desta segunda-feira (10), o ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF), condenou nove réus da Ação Penal 470, o processo do chamado mensalão, por lavagem de dinheiro. O reconhecimento do crime é uma etapa fundamental para viabilizar a tese que consta da acusação do Ministério Público Federal (MPF) de que houve pagamento de mesada a políticos,

Na análise do quarto capítulo da denúncia, foram condenados os réus do núcleo publicitário – Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz, Rogério Tolentino, Simone Vasconcelos e Geiza Dias – e do núcleo financeiro – Kátia Rabello, José Roberto Salgado e Vinícius Samarane, que eram dirigentes do Banco Rural na época dos fatos.

A única ré absolvida pelo relator foi a ex-dirigente do Rural Ayanna Tenório. Barbosa decidiu não a condenar, mesmo a considerando culpada, porque, no capítulo anterior, os ministros a absolveram do crime de gestão fraudulenta de instituição financeira. Barbosa disse que, “como fiel obediente e observador da Suprema Corte”, se renderia à decisão majoritária.

O ministro organizou seu voto individualizando a conduta de cada réu para explicar porque eles devem ser enquadrados no crime de lavagem de dinheiro. De acordo com o relator, a lavagem era dividida em três etapas: fraudes em documentos e contabilidade das empresas de Valério e do Banco Rural, simulação de empréstimos bancários e repasse dissimulado a políticos ligados ao PT.

“Não há como negar que os réus, além de fraudarem a contabilidade das agências de Valério e do Banco Rural, também fraudaram empréstimos, ocultaram bens, informações e dados, para ocultar proprietários e beneficiários de quantias, como etapa para a real lavagem de dinheiro”, sustentou o relator.

Barbosa confirmou o comportamento protagonista de Marcos Valério, que, segundo ele, participou das três principais etapas da lavagem. Ele destacou, no entanto, que mesmo os réus classificados como “mequetrefes” e “simples empregados” pelos advogados de defesa tiveram participação ativa no esquema. “Não se aplica a tese de que uma pessoa, pelo simples medo de perder emprego, pode cometer crime”.

Os réus do chamado núcleo político, que também respondem pelo crime de lavagem de dinheiro, terão sua conduta analisada em outro capítulo. Segundo o MPF, esses réus usaram intermediários e laranjas para sacar dinheiro em espécie nas agências do Banco Rural a fim de não serem identificados.

O crime de lavagem de dinheiro tem pena prevista de três a dez anos de prisão e pagamento de multa, mas a definição da punição ocorrerá apenas no final do julgamento.

Governo do Estado investe R$ 9,2 milhões em infraestrutura em Caracol
Caracol vai receber mais de R$ 2,8 milhões em obras a serem executadas pelo Governo do Estado em parceria com a prefeitura e deputados federais e est...
Assembleia vota Orçamento de R$ 14,4 bilhões de 2018 na terça-feira
O Orçamento de R$ 14,4 bilhões do Governo de Mato Grosso do Sul para 2018 passará pela votação em segunda discussão na terça-feira (19) na Assembleia...


Veio ele da pobreza e ao estudo deu valor

De Paracatu de minas arribou com bom humor

Com a separação dos pais arrimo de família ali ele se tornou

Aos dezesseis anos de idade em Brasília! Na gráfica se empregou...



Sempre em escola publica seus ensinos terminou

Formado em bom direito seu mestrado ali tirou

Na universidade de Brasília de todos se destacou

Sempre na falta de um tudo sua moral se moldou...



Seu mestrado e doutorado ambos em Direito Público

Com esforço e muita garra na frança ele conseguiu

Procurador da republica em concurso ele assumiu

Pianista e violinista, poliglota o Brasil o aplaudiu...



Segurando na poltrona para agüentar suas dores
Dita as sentenças de homens que tremulam alguns doutorem
De nome bem conhecidos! Que se julgam grandes senhores
Nem mesmo ex-presidente, o herói nada o teme! E não deve alguns favores...


O herói Joaquim Barbosa é um homem negro vestido de capa preta
Prova que neste país não se vive só de riquezas
Os negros eram açoitados por brancos em realezas
E hoje sentem o peso da mão negra na caneta...

Feliz assim eu me sinto mesmo que pobre e teimoso
Ver a justiça valendo aos ricos e poderosos
Acostumado eu estava em ver as pizzas dos povos
Agora com este herói! Sinto-me muito honroso...
(ZILDO)
 
zildo de oliveira barros em 11/09/2012 08:22:43
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions