A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018

10/10/2011 20:59

Na tribuna do Senado, Delcídio lembra os 34 anos de Mato Grosso do Sul

Edmir Conceição*
Senador Delcídio do Amaral (PT-MS), em ponunciamento na tribuna do Senado.Senador Delcídio do Amaral (PT-MS), em ponunciamento na tribuna do Senado.

O senador Delcídio do Amaral (PT-MS) lembrou na tribuna do Senado os 34 anos de Mato Grosso do Sul, em pronunciamento no começo da noite. “Essa divisão fez muito bem ao meu estado, um estado jovem, que faz fronteira com dois países da América do Sul,importantes na integração que todos nós buscamos”, afirmou Delcídio, se referindo ao Paraguai e à Bolívia.

De acordo com o senador, a posição de Mato Grosso do Sul no centro do pais também é estratégica, uma vez que faz divisa com alguns dos mais ricos estados brasileiros - São Paulo, Goiás, Minas Gerais e Paraná. O senador enumerou as riquezas sul-mato-grossenses. “Temos riquezas muito bem distribuídas , com terras férteis que permitem a agricultura mecanizada nas partes planas, além das montanhas do complexo de Urucum, em Corumbá, com jazidas enormes de minério de ferro e manganês”, observou.

Delcídio destacou, ainda, o potencial turístico das regiões de Bonito e do Pantanal e frisou que é preciso consolidar o Pantanal como destino turístico sem o foco na pesca de larga escala. “Aquela pesca predatória acabou. Agora, estamos investindo não só no sistema de pesque e solte, mas acima de tudo no turismo contemplativo, já que possuímos fauna e flora absolutamente extraordinárias”, ressaltou.

O senador destacou a diversificação da economia do estado, que, além de atividades tradicionais como pecuária de corte e o plantio de milho e de soja, começa a intensificar investimentos na produção de açúcar, etanol, papel, celulose e nas florestas plantadas. De acordo com Delcídio, a infraestrutura de Mato Grosso do Sul está se consolidando de maneira compatível com a atividade econômica do estado, que cresce acima da média nacional. "Nós crescemos a taxas que variam de 7,5% a 8% e vamos continuar nessa toada por muito tempo", afirmou.

(*) Com informações da assessoria de imprensa



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions