ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEGUNDA  30    CAMPO GRANDE 24º

Política

Olarte e ex-mulher são absolvidos em processo por lavagem de dinheiro

Eles respondem ainda a outra ação pelo mesmo crime, derivada de investigações iniciadas em 2015

Por Marta Ferreira | 22/10/2020 18:29
Gilmar Olarte e a ex-mulher durante uma das audiências sobre lavagem de dinheiro. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Gilmar Olarte e a ex-mulher durante uma das audiências sobre lavagem de dinheiro. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

O juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal Residual de Campo Grande, absolveu o ex-prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte, e a ex-mulher dele, Andreia Zanelato, em ação criminal por lavagem de dinheiro, decorrente de negociações de duas salas comerciais.

Na sentença, do dia 19 de outubro, o magistrado diz que o que foi levado aos autos não permite imputar o crime aos réus.

Ferreira Filho destaca, porém, que ainda há acusações formuladas contra os acusados e que estão pendentes de julgamento. Essas, explica, “serão apreciadas à luz do conjunto probatório existente naqueles autos”.

O que se está a julgar nestes é, unicamente, a aquisição das salas comerciais antes referidas e, em relação a elas, por todo o já apontado alhures, não há como se reconhecer a prática do crime de lavagem de capitais por parte dos corréus, escreveu.

Investigação – Em 2017, Olarte e a ex-mulher foram alvos da Operação Pecúnia, realizada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), apontando uso de dinheiro obtido por corrupção pelo ex-prefeito para aquisição de imóveis na Capital.

Documentos apreendidos em agosto de 2015 apontaram aquisição de bens no montante de R$ 4,1 milhões. Segundo divulgado, foram pagos R$ 2.863.000 e as parcelas restantes deixaram de ser quitadas assim que Gilmar Olarte deixou a prefeitura, ao ser reconduzido ao cargo o ex-prefeito Alcides Bernal (PP) em agosto de 2015.

Para o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), os investigados montaram um esquema de lavagem de dinheiro conseguido ilicitamente.

As investigações tiveram início a partir dos dados obtidos com a quebra do sigilo bancário de Andreia Zanelato.

O outro processo que aguarda julgamento é pelos crimes de lavagem de capitais e organização criminosa.

Quando a operação foi feita, a afirmação é de que Olarte e Andreia tiveram a ajuda de Ivamil Rodrigues, corretor de imóveis e braço direito do casal nas aquisições imobiliárias fraudulentas, e Evandro Farinelli, pessoa que cedia o nome para que as aquisições fossem feitas em nome de Andreia Zanelato. Eles não estão envolvidos na ação já sentenciada.

A defesa do casal sempre negou as acusações de irregularidades. Os processos correm em segredo, por causa dos dados expostos pelo sigilo quebrado dos envolvidos.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário