A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

09/04/2015 13:25

Oposição e base aprovam suplementação financeira de R$ 17,5 milhões

Kleber Clajus
Projeto de suplementação teve aprovação unanime por vereadores (Foto: Kleber Clajus)Projeto de suplementação teve aprovação unanime por vereadores (Foto: Kleber Clajus)

Vereadores de oposição e da base do prefeito Gilmar Olarte (PP) aprovaram por unanimidade, nesta quinta-feira (9), suplementação de R$ 17,5 milhões a Prefeitura de Campo Grande. Dentre os ajustes, que ocorrem por anulação de receita, estão contrapartida para obras e restituição aos cofres da União por falhas na implantação do sistema Gisa (Gerenciamento de Informações em Saúde).

Ao menos treze secretarias e fundos municipais tiveram recurso ajustado para mudança de finalidade. Durante a votação até mesmo Paulo Pedra (PDT), Ayrton Araújo (PT) e Cazuza (PP) foram favoráveis a medida ainda que a oposição possua indicativo para travar propostas do Executivo até solução de crise no segmento da cultura. “É necessário senão o prefeito para de pagar e culpa a oposição”, justificou o pedetista.

Na Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação) o ajuste garantiu contrapartida de R$ 1,330 milhão para consultoria e obras da revitalização da Avenida 14 de Julho financiadas pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), R$ 1,220 milhão destinado a nova licitação do terminal intermodal, além de R$ 900 mil para construção e reforma de terminais previstos em cronograma de investimentos contemplados pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

Do setor de obras também migrou recurso de R$ 2,505 milhões para a Seplanfic (Secretaria de Planejamento Finanças e Controle) quitar parcelamento de dívida com a União, em decorrência de falha na implantação do sistema Gisa (Gerenciamento de Informações em Saúde). O valor do retorno financeiro, exigido pelo Ministério da Saúde, é de R$ 14,8 milhões.

Para o líder do prefeito, Edil Albuquerque (PMDB), a entrada do projeto em regime de urgência garantiu maior celeridade em sua tramitação, mas o fato de ter quórum e apoio foi essencial para que se continue “ainda” a colocar as finanças do município em dia.

Dúvidas sobre balanço real da crise financeira vivenciada em Campo Grande resultou em convite dos titulares da Seplanfic, André Scaff, e da Semad (Secretaria Municipal de Administração), Wilson do Prado, a irem até a Casa de Leis. O encontro com os vereadores deve ocorrer, às 9h, na próxima terça-feira (14).

Reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, diz Meirelles
A reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, de acordo com o ministro da Fazenda Henrique Meirelles. A declaração foi dada na noite de...
Quanto mais reforma demorar, mais dura será correção, diz ministro
Caso o governo não consiga aprovar a reforma da Previdência ainda este ano, conseguirá em 2018, disse hoje (11) o ministro do Planejamento, Dyogo Oli...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions