A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018

22/11/2011 14:10

Para deputado, Cimi incita violência entre indígenas e produtores

Wendell Reis

O deputado Zé Teixeira (DEM) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa nesta terça-feira (22) para falar sobre os conflitos entre índios e produtores rurais no Mato Grosso do Sul. O deputado acusa o Cimi (Conselho Indigenista Missionário) de incitar a violência entre os dois grupos.

Zé Teixeira afirma que o Cimi posta informação incorreta sobre a questão indígena em seu site. Segundo o deputado, em 2003 o Cimi afirmou que havia 109 mil índios no Mato Grosso do Sul e agora relata que o número é de 72 mil. “O número de índios cresce 3,5% ao ano. Então, essa conta não bate”, alega o deputado, ressaltando que os números são diferentes do apresentado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O deputado também acusa o Cimi por uma publicação “absurda” em uma agência de Londres, dizendo que o BNDS (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) financia a plantação de cana-de-açúcar nas terras indígenas. “Joga o produtor contra o índio, desmoralizando o País. Precisa de um denominador comum para resolver o problema de 28 invasões no Mato Grosso do Sul”.

Teixeira lembra que o produtor contribui com o pagamento dos impostos, que acaba sendo direcionado ao índio, que se aposenta sem nunca ter contribuído. Além disso, afirma que muitos índios invadem propriedades, chegam a comercializar carne e não são punidos, sem que ninguém tome providências.

Zé Teixeira propõe a desapropriação de terras pelo Governo Federal para resolver o problema. Ele afirma que o índio não come terra e precisa é de investimentos, defendendo que querem é TV, internet e uma profissão. Ele lembra ainda que a Casa enviou uma comissão a Brasília para tentar resolver o problema, mas afirma que o Governo Federal só enrola o caso, aumentando o desgaste e a pressão.

O deputado Pedro Kemp (PT) também pediu providências da Assembleia, dizendo que tem que tomar uma posição para acabar com o clima de tensão e terror que atinge o Estado. “Não podemos fazer de conta que nada está acontecendo”. Segundo o deputado, o Mato Grosso do Sul está com uma imagem de estado sem ordem, segurança ou paz.

Brasília - O deputado Laerte Tetila, que tem a causa indígena como uma de suas banderias na Assembleia, viajou a Brasília para cobrar do governo uma ação 'enérgica' para conter a violência que, a seu ver, é causada pela lentidão no processo de demarcação das áreas indígenas. Tetila promete ficar acampado em frente ao Ministério da Justiça.



Interessante perceber que as autoridades tentam sempre jogar as responsabilidades para terceiros. Acho que a repercussão foi grande e o estado deve dar um basta a estes assassinatos. Se os índios não soubessem o que querem talvez nem estariam aqui hoje. A policia Federal deve resolver o caso da morte de Nisio Gomes, com rigor.
 
Borga Matos em 23/11/2011 05:50:37
Pra defender os nativos não apareceu ninguém, mas para amenizar à barbaridade cometida por assassinos a serviço de bandidos, surgem todos os dias, e diga-se de passagem, são corajosos.
 
valter oliveira em 22/11/2011 02:54:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions