ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  21    CAMPO GRANDE 28º

Política

PF confirma que Adélio agiu sozinho em ataque a faca contra Bolsonaro

Com conclusão do caso, PF descarta envolvimento de alguma facção ligada ao advogado dele no crime

Por Silvia Frias | 11/06/2024 09:52
Adélio Bispo, em foto tirada após atentado ocorrido em MG, em 2018 (Foto/Divulgação/2ºBPM)
Adélio Bispo, em foto tirada após atentado ocorrido em MG, em 2018 (Foto/Divulgação/2ºBPM)

A Polícia Federal confirmou que Adélio Bispo de Oliveira, autor da facada contra o então candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro, em 2018, agiu sozinho. Com inquérito finalizado, a investigação descartou qualquer possibilidade de envolvimento de alguma facção criminosa ligada ao advogado de Adélio.

Desde 2018, Adélio está na Penitenciária Federal de Campo Grande. Em maio de 2020, a Polícia Federal já havia concluído que Adélio havia agido sozinho e que não foi identificada a existência de mandantes do crime, mas a investigação foi retomada no fim da gestão de Bolsonaro.

A informação sobre a conclusão do caso foi dada pelo diretor-geral da PF, Andrei Rodrigues esta manhã, depois de operação que teve com alvo o advogado de Adélio, investigado por relações com o PCC. A apuração confirmou essa conexão com a facção, porém, sem qualquer relação com o atentado contra Bolsonaro, que teve Adélio Bispo como autor.

Segundo o diretor-geral, a informação foi repassada ao Judiciário, sugerindo o arquivamento de parte do inquérito que trata deste assunto. “Outros possíveis delitos foram descobertos, relacionados a um dos advogados de defesa do envolvido no ataque, mas sem qualquer ligação com os fatos investigados", afirmou a PF em nota.

Retomada - Reportagem da Folha mostrou que, no último ano do governo Bolsonaro, a PF passou a investigar a relação da facção criminosa PCC com pagamentos para a defesa de Adélio.

A linha de investigação seguida à época contrariava as conclusões anteriores e indicava uma tese considerada inconsistente pela atual direção da PF, que vê fragilidades nos indícios citados.

Até o 2022, quando a PF passou a seguir essa linha de apuração, dois inquéritos já tinham apontado que Adélio agiu sozinho.

Internação - Em fevereiro deste ano, a 5ª Vara Federal em Campo Grande determinou que Adélio Bispo, retornasse a Minas Gerais, local de origem do seu processo. O prazo inicial para o cumprimento da medida era de 60 dias, sendo prorrogado para dia 21 de junho.

A 3ª Vara Federal Cível e Criminal da Subseção Judiciária de Juiz de Fora (MG) proferiu despacho solicitando que o retorno de Adélio Bispo de Oliveira somente se efetivasse após resposta positiva da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais quanto à existência de vaga em hospital referenciado pelo CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) em Juiz de Fora.

A decisão, da justiça federal determinou que o juízo de origem, em Minas Gerais, deveria providenciar tratamento ambulatorial ou, excepcionalmente, a internação, considerando todas as medidas de segurança necessárias, de forma a garantir a integridade psíquica e física de Adélio.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias