A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017

24/04/2015 09:32

Protesto de trabalhadores contra terceirização recebe Eduardo Cunha

Kleber Clajus e Leonardo Rocha
Sindicalistas protestam contra projeto de terceirização aprovado pelos deputados (Foto: Alcides Neto)Sindicalistas protestam contra projeto de terceirização aprovado pelos deputados (Foto: Alcides Neto)
Eduardo Cunha participa de evento na Fiems, onde o acesso é restrito (Foto: Alcides Neto)Eduardo Cunha participa de evento na Fiems, onde o acesso é restrito (Foto: Alcides Neto)

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), enfrentou, nesta sexta-feira (24), protesto de sindicalistas contra a terceirização ao chegar para audiência itinerante sobre a reforma política e o pacto federativo no auditório da Fiems (Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande.

Cerca de 130 pessoas, vinculadas a movimentos sindicais e sociais, estão do lado de fora do evento em ato de repúdio a aprovação pelos deputados de proposta que permite a empresa terceirizar atividades atividades-meio, como limpeza e manutenção, assim como atividades-fim possibilitando, por exemplo, que escolas privadas tenham professores contratados nos mesmos moldes.

Para o presidente regional da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Genilson Duarte, a forma “truculenta” como o projeto foi aprovado na Câmara resultará na precarização das condições de trabalho. Ele considera como negativo o fato dos terceirizados terem salários 25% menores, trabalharem média de três horas a mais e que 8 em cada 10 acidentes de trabalho ocorram neste grupo de trabalhadores.

Já Ricardo Martinez, presidente regional da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), considera o presidente da Câmara como “persona non grata na visão dos trabalhadores” e avisou que a ação de hoje é um alerta aos senadores que devem analisar agora o projeto.

Em relação aos protestos, Eduardo Cunha frisou que estes ocorrem porque “envolvem poder político sindical e sua arrecadação”, assim como seus representantes “usam os trabalhadores como escudo para seus interesses”.

“Nós não podemos nos omitir de deixar de regularizar o direito desses trabalhadores. Existe uma precarização de empresas que não recolhem FGTS e não cumprem obrigações trabalhistas. Com a aprovação desse projeto elas terão que cumprir”, pontuou o presidente da Câmara, que tem cobrado celeridade do Senado em avaliar a questão.

Dezenas de sindicalistas se concentram no Centro durante ato contra Cunha (Foto: Alcides Neto)Dezenas de sindicalistas se concentram no Centro durante ato contra Cunha (Foto: Alcides Neto)



Pergunte se um desses ai trabalha ???
 
wild em 24/04/2015 13:01:46
Se for feita uma pesquisa entre esse grupo que protesta contra a terceirização, podem ter certeza, só vai ser encontrado gente ligada aos sindicatos, dirigentes ou funcionários, trabalhador só se estiver desempregado, a luta desses sindicatos na verdade tem o objetivo de não perder receitas para manter a maquina funcionando com o suor de quem trabalha. Porque ao invés de perderem tempo com manifestações vazias não estão tratando de suas convenções coletivas, a convenção coletiva dos trabalhadores na construção civil por exemplo venceu em 28/02/2015 e até o momento não temos nenhuma posição sobre o assunto, porque o Sindicato e a CUT ainda não trataram desse assunto, nada contra manifestações, mais vamos fazer o dever de casa primeiro gente.
 
juvenul em 24/04/2015 11:35:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions