ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 29º

Política

PT anima militância, mas não anuncia vice de Zeca

Redação | 06/06/2010 13:24

A cúpula regional do PT de MS promoveu uma grande festa neste domingo no Grand Mère Buffett, em Campo Grande para confirmar candidatura própria ao governo, mas não anunciou o vice de Zeca.

Por aclamação, 852 delegados escolhidos pelo partido confirmaram, além da candidatura de Zeca, as de Delcídio e Dagoberto (PDT) ao Senado, e de Gilda Gomes dos Santos como suplente deste último. Entretanto, o parceiro de chapa de Zeca ainda continuara em aberto à espera de definição de partidos aliados.

O primeiro partido ao qual Zeca recorreu em busca vice foi o PTB, mas a aliança não vingou já que o partido decidiu apoiar André Puccinelli. Agora, Zeca aguarda o posicionamento do PSB, que pode indicar o vice, mas que não enviou representante à festa promovida pelo partido nesta manhã.

Apesar de o PT não ter anunciado o nome, Zeca continua a reafirmar que seu vice deve preferencialmente sair de Dourados. Entretanto, adianta que se não for possível encontrar alguém do segundo maior município Estado, vai viabilizar essa questão outra forma.

A cúpula do partido informou que não vai interferir nesse processo e que ficará a cargo das lideranças locais a escolha.

O presidente Nacional do PT, José Eduardo Dutra, deixou claro em seu discurso que, ao contrário do que chegou a se comentar na imprensa local, a candidatura de Zeca ao governo não está sendo posta à revelia da cúpula nacional.

"Zeca tem o apoio e o empenho da direção nacional. Já havíamos dito que Mato Grosso do Sul só não ia ter candidato se não quisesse. Disseram que o Zeca era candidato à revelia da cúpula nacional, mas a minha presença neste encontro é a prova de que o Zeca é o candidato do PT no Estado"

Comparação - Zeca do PT fez um discurso inflamado, se emocionou várias vezes durante a fala e fez questão de ressaltar que não temerá comparações de seu governo com o de André Puccinelli.

Zeca criticou Puccinelli por ter suspenso programas sociais instituídos em seu governo, como o restaurante popular. Ele disse que tem consciência do grande volume de verbas federais que chegaram ao Estado na administração Puccinelli, e que isso acaba engordado números do atual governo, mas mesmo assim não tem medo de comparações, pois está preparado para isso.

Zeca falou que essa é a 11ª campanha que ira enfrentar e espera que seja a última e a mais emblemática.

Com essa declaração, Zeca confirma que se ganhar a eleição agora, Delcídio deverá ser o próximo candidato ao governo de MS, ao invés dele pela reeleição.

No encontro do PT desta manha, compareceram representantes de vários partidos que tendem a apoiar o projeto de Zeca, entre eles o PV que ainda está em processo de definição, o DEM, o PP, PCdoB e o empresário Antonio João Hugo Rodrigues, que é filiado ao PTB, e apesar de ter partido apoiando André, compareceu ao evento de Zeca.

"Ao contrário do que muita gente apostou, vamos marchar unidos e tomar conta das ruas" disse o senador Delcídio do Amaral, ao desmentir boatos de que ele e Zeca ainda não estão muito próximos politicamente.

A festa reuniu cerca de 1800 pessoas segundo a organização, contou com apresentações culturais de dança e música.

Questionado se temia ser "atropelado" pela estrutura do atual governo durante a campanha, Zeca disse que não. "Não é só dinheiro que ganha a eleição, prova disso é a vitória que tive em 1998. Em uma época em que o povo tinha medo e desconfiança do PT, conseguimos ganhar eleição mesmo contra a estrutura do governo", declarou.

Sobre qual seria primeiro despacho de seu governo, no caso de ganhar a eleição, disse que retomaria os programas sociais e faria levantamento detalhado do atual governo para iniciar sua administração.

Nos siga no Google Notícias