A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 25 de Setembro de 2018

11/05/2017 07:30

Puccinelli, o filho, empresário e ex-secretário prestam depoimento na PF

Ricardo Campos Jr. e Renata Volpe Hadad
Viatura da PF em frente ao edifício Monet (Foto: André Bittar)Viatura da PF em frente ao edifício Monet (Foto: André Bittar)
Equipe da Receita Federal, em apoio à PF, na frente da empresa H2L (Foto: André Bittar)Equipe da Receita Federal, em apoio à PF, na frente da empresa H2L (Foto: André Bittar)

O ex-governador André Puccinelli (PMDB) está prestando depoimento na PF (Polícia Federal), para onde foi encaminhado junto com o filho André Pucinelli Junior; o dono da gráfica alvorada, Mirched Jafar Júnior e sua esposa Rosana e o ex-secretário adjunto de fazenda André Cance. A operação desencadeia nesta quinta-feira (11) a quarta fase da operação Lama Asfáltica.

A ação visa cumprir três mandados de prisão, nove de condução coercitiva, 32 de busca e apreensão, além do sequestro de valores nas contas bancárias de pessoas físicas e jurídicas que estão sendo investigadas.

Segundo a polícia, as ordens judiciais estão sendo cumpridas em Campo Grande, Nioaque, Porto Murtinho, Três Lagoas, além de São Paulo e Curitiba, com a participação de aproximadamente 270 Policiais Federais, servidores da CGU e da Receita Federal.

O ex-governador já está prestando depoimento. Não há informações se ele foi um dos presos ou se está no órgão apenas para esclarecimentos.

Agentes estiveram pela manhã na casa do ex-governador, na empresa HBR Medical, na H2L Soluções para documentos e três viaturas estão em frente ao edifício Monet desde às 6h. 

Na sede da PF, é grande a movimentação de agentes com malotes de materiais apreendidos para a investigação.

Pucinelli já havia sido alvo da terceira fase da operação há um ano, em 10 de maio de 2016. Na ocasião, a Polícia Federal apreendeu documentos na casa dele, que foi espontaneamente à sede da corporação e disse que desistiria da política porque os agentes públicos ficam com “pecha” de ladrão.

Em seguida, no mês julho, teve R$ 43,1 milhões em bens bloqueados pela Justiça Federal. Neste ano, Puccinelli passou a contar com mais agendas públicas, num reensaio para voltar à disputa eleitoral em 2018. No mês passado, foi citado em um novo escândalo, dessa vez foi acusado pela Odebrecht de cobrar propina de R$ 2,7 milhões da empresa.

Movimentação na sede da PF na manhã desta quinta, quando é desencadeada a quarta fase da operação Lama Asfáltica (Foto: Renata Volpe Hadad)Movimentação na sede da PF na manhã desta quinta, quando é desencadeada a quarta fase da operação Lama Asfáltica (Foto: Renata Volpe Hadad)


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions