A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018

28/03/2013 14:28

Reforma de André será votada terça e PT não vai impedir, garante Jerson

Zemil Rocha
Jerson diz que verba só para Simone decorre da herança de obrigações da Segov (Foto: Arquivo)Jerson diz que verba só para Simone decorre da herança de obrigações da Segov (Foto: Arquivo)

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Jerson Domingos (PMDB), garantiu esta tarde, em entrevista ao Campo Grande News, que já na terça-feira (2) deve ser aprovado o projeto do governador André Puccinelli que cria três novas secretarias estaduais e autoriza a implantação de secretarias extraordinárias.

“Vamos votar na terça-feira. É um projeto de cunho administrativo do governo. Não implica em aumento de gastos”, justificou Jerson Domingos. Apesar de o PT ter criticado o pedido de urgência para votação da matéria, Jerson considera que os petistas não vão atrapalhar os planos da Mesa Diretora de que a votação ocorra já no dia 2 de abril. “Não vejo como o PT possa impedir essa votação”, afirmou.

A reestruturação do primeiro escalão do governo prevê a criação de três secretaria para acomodações política visando as eleições do ano que vem. A chefia da Casa Civil ficará com a vice-governadora Simone Tebet (PMDB), a Secretaria Extraordinária de Articulação, de Desenvolvimento Regional e dos Municípios será comandada pelo ex-prefeito Nelsinho Trad (PMDB) e a Secretaria Extraordinária da Juventude terá o vereador Herculano Borges (PSC) como titular. As duas primeiras são desembramentos da Secretaria de Governo (Segov).

Nelsinho é pré-candidato a governador e Simone Tebet deverá tentar vaga para o Senado em 2014, caso o governador André Puccinelli realmente confirme a intenção de não disputar o cargo. Já Herculano Borges deverá ser candidato a deputado estadual e o seu PSC deverá apoiar o PMDB na sucessão estadual.

Das três novas secretarias a única aquinhoada com crédito orçamentário é a Chefia da Casa Civil, com montante de R$ 2,3 milhões. Indagado sobre o motivo dessa diferenciação e se não significaria uma certa preferência política em relação a Simone Tebet, o presidente da Assembleia, Jerson Domingos, garantiu que não se trata disso. “Como houve desdobramento da Secretaria de Governo, como a Casa Civil recebeu atribuições da antiga pasta receberá a corresponde receita para dar conta das obrigações”, explicou ele.

 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions