ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 24º

Política

Reinaldo diz que “reajuste zero é balela” e reforça aumento antecipado

Por Lidiane Kober | 25/05/2015 18:15
Para Reinaldo, tiraram o direito de seu governo dar reajuste (Foto: Fernando Antunes)
Para Reinaldo, tiraram o direito de seu governo dar reajuste (Foto: Fernando Antunes)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) disse, nesta segunda-feira (25), que “a história de reajuste zero é balela” e frisou que seu governo “pagou a conta” de elevação salarial antecipada para dezembro de 2014. Segundo ele, o servidor de Mato Grosso do Sul é o único no Brasil que, em momento de crise financeira, ganhou o benefício da antecipação.

“Imagina você, teve uma data base em maio de 2014, aí você teve outro reajuste em dezembro de 2014, que diz claramente no texto da lei que é antecipação do reajuste anual, então, tiraram o direito do nosso governo de poder dar reajuste, mas quem pagou a conta foi o nosso governo”, frisou Reinaldo.

Ele ainda destacou que “nenhum servidor administrativo teve antecipação de data base no Brasil”. “Mato Grosso do Sul fez algo inédito e essa história de reajuste zero é balela”, completou.

Além disso, ele destacou confiar que o servidor tem ciência que recebeu antecipação de reajuste salarial. “O próprio servidor entende isso, eles sabem que tiveram dois aumentos no mesmo ano e essa conta de dezembro caiu na nova administração que assumiu em janeiro”, comentou.

Em parecer jurídico, a Procuradoria-Geral do Estado reforça a teoria de reajuste antecipado. “Os aumentos concedidos em dezembro de 2014 foram antecipação da revisão geral anual do exercício de 2015, não existindo revisão geral a ser concedida para data base de maio próximo a essas categorias beneficiadas, haja vista demonstração da reposição das perdas inflacionárias a menos de um ano”, diz a decisão.

Mesmo assim, o governador promete diálogo com as categorias. “Estamos ouvindo todos os segmentos e aquilo que é possível será feito”, comentou. Ele, porém, pediu responsabilidade nas cobranças. “Olha o tamanho do corte que a União fez, agora é um momento de responsabilidade”, concluiu.

Nos siga no Google Notícias