ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 22º

Política

Reinaldo diz que "vislumbra horizonte bom" em 2020 após crise econômica

Governador lembrou de medidas impopulares para recuperar a economia do Estado em 2019

Silvia Frias e Leonardo Rocha | 02/12/2019 10:56
Governador apresenta balanço de governo, acompanhado do presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Correa (Foto: Leonardo Rocha)
Governador apresenta balanço de governo, acompanhado do presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Correa (Foto: Leonardo Rocha)

O governador Reinaldo Azambuja “vislumbra horizonte bom” em 2020, depois das dificuldades enfrentadas em 2019, citando a crise econômica nacional e a redução do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do gás natural.

As medidas tomadas, segundo o governador, permitiram manter a estabilidade, com pagamento de salários em dia e o pagamento do 13º integral, previsto para dia 18 deste mês.

Em balanço de governo feito esta manhã, Reinaldo lembrou a gradual redução da receita sobre a venda do gás vindo da Bolívia, uma política nacional adotada que passa por processo de redução do monopólio do produto no País.

Mais recentemente, a renúncia de Evo Morales e o processo, ainda em andamento, dos rumos políticos na Bolívia. Segundo o governador, MS deixou de arrecadar R$ 300 milhões a menos em ICMS.

A previsão de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) nacional também foi revista para baixo, segundo Reinaldo, passando de 3% para 1%.

Os índices foram arredondados pelo governador, já que, a perspectiva era de economia crescente em 2,5% no início de 2019 e, agora, revisada para 0,85%, segundo a SPE (Secretaria de Política Econômica) do Ministério da Economia.

Por conta do cenário de dificuldade nacional, o governador disse que foi necessário tomar “medidas importantes, mas impopulares”, para tirar o Estado da crise. Ele citou algumas que fizeram parte do pacote de reforma fiscal do governo do Estado, aprovado em novembro.

Entre as medidas, a manutenção, em caráter definitivo, dos índices do ITCD (Imposto Sobre Transmissão Causa Mortis e Doação) em 3% nos casos de doações e de 6% nas transmissões causa mortis e a alteração da alíquota do ICMS da gasolina, que passou de 25% para 30% e redução do índice do etantol, de 25% para 20%.

O governador disse que, no caso dos combustíveis, a intenção é valorizar a produção de álcool no Estado, já que, atualmente, 86% dos condutores preferem abastecer com gasolina.

Rodovias - Também foi aprovado o aumento da contribuição do setor rural no Fundersul (Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário), com alta média de 40%. No caso da soja, o percentual passou de 35,60% para 52%.

Neste caso, Reinaldo diz o recurso será importante para investimentos previstos a partir de 2020, citando que, em prazo de três anos, o governo estima fazer 800 quilômetros de novas rodovias e revitalizar outros 700 quilômetros, além de executar 130 novas pontes de concreto, manutenção da malha e investimentos nos municípios.

Reinaldo relembrou o programa Governo Presente, em que reuniu-se com prefeitos de vários municípios em trabalho itinerário. Foram cerca de mil pedidos de execução de serviços feitos pelos gestores, a maioria, relacionados à infraestrutura.

Ainda este ano, o governador citou a previsão de receber R$ 120 milhões do pré-sal que devem chegar este mês e o leilão da rodovia MS-306, marcado para dia 5 de dezembro, com abertura de propostas na Bovespa, a bolsa de valores de São Paulo.

Para o próximo ano, a expectativa é com o leilão da usina de fertilizantes hidrogenados, a UFN3, que teve processo de negociação cancelado após renúncia de Evo Morales da presidência da Bolívia. De acordo com governador, a estimativa é que o novo edital seja mais atrativo e seja finalizado com rapidez.

Nos siga no Google Notícias