ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, DOMINGO  27    CAMPO GRANDE 28º

Política

Reinaldo reforça pedido para rapidez na votação do Refis

Governador diz que esta renegociação vai trazer novos recursos aos cofres públicos

Por Leonardo Rocha | 29/09/2017 12:38
Reinaldo falou sobre o tema, durante evento na Sanesul (Foto: Leonardo Rocha)
Reinaldo falou sobre o tema, durante evento na Sanesul (Foto: Leonardo Rocha)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) reforçou o pedido de rapidez na votação dos projetos do Refis (Programa de Recuperação Fiscal), e das regras para convalidação dos incentivos até 2033, para que além de contemplar os empresários, possa gerar receita para os cofres estaduais. A expectativa é que as propostas sejam votadas na semana que vem.

"Já fizemos este pedido aos deputados, para que haja rapidez e celeridade na votação, até porque se trata de um pedido dos próprios empresários, que querem aderir a este novo modelo de incentivos, assim como renegociar suas dívidas", disse o tucano, durante evento na Sanesul.

Reinaldo citou que sobre o Refis será uma forma de "reforçar o caixa estadual", com novos recursos que serviriam por exemplo, para o pagamento do 13° salário dos servidores. "Precisamos garantir caixa, até porque dependemos de uma melhora na economia, para termos aporte financeiro, tivemos grandes perdas com a queda do gás natural".

O governador adiantou que além do Refis, também busca outras fontes, como o ressarcimento da Lei Kandir, por parte do governo federal. "Desde que a lei entrou em vigor, em 1997, o Estado já perdeu R$ 8 bilhões em arrecadação, a Justiça obrigou a União a reembolsar os estados e estamos lutando por isso em Brasília".

O presidente da Assembleia, o deputado Junior Mochi (PMDB), adiantou que os projetos do Refis e convalidação dos incentivos, serão avaliados na próxima terça-feira (3), na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), com expectativa de serem votados em plenário na semana que vem. "Tenho certeza que haverá acordo dos partidos, para que entrem na pauta".

Regras - O projeto do Refis, a pedido do setor empresarial, sofreu algumas mudanças. Entre elas a entrada será 10% do valor da dívida e não 15% como estava previsto antes.

Pelas novas regras, empresários e contribuintes terão até 36 vezes para pagar o que devem de ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços), ITCD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação) e IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores).

O governo manteve os 90% e 95% de desconto nos juros e multas que antes só seria permitido para os pagamentos à vista, mas vai permitir a divisão do valor em três vezes, desde que tudo esteja quitado ainda neste ano.

Os descontos de 55%, 65% e 75% nas entradas de quem escolher parcelar o débito também foram mantidos, com a diferença é que as primeiras parcelas também poderão ser parceladas em até três vezes.

Regras de comentário