ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 24º

Política

Relator vota por tornar réus 100 denunciados por ataques em Brasília, 5 de MS

Relator dos inquéritos, ministro do STF Alexandre Moraes votou pela abertura de ação penal contra investigados

Silvia Frias | 18/04/2023 08:14
Ministro do STF, Alexandre Moraes, relator dos inquéritos dos ataques aos Três Poderes. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Ministro do STF, Alexandre Moraes, relator dos inquéritos dos ataques aos Três Poderes. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Relator da ação, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre Moraes, votou pela abertura de ação penal contra 100 acusados de participar da invasão ocorrida no dia 8 de janeiro, na sede dos Três Poderes, em Brasília. Entre os inquéritos que estão sendo julgados a partir de hoje, cinco são de Mato Grosso do Sul.

Esta é a primeira leva dos julgamentos de 1.390 pessoas denunciadas pela PGR (Procuradoria Geral da República) por participação nas invasões e depredação do Congresso Nacional, Palácio do Planalto e sede do STF.

No voto, Alexandre Moraes afirmou que parte dos denunciados, conforme narrado na denúncia, integrava o núcleo responsável pela execução dos atentados materiais contra as sedes dos Três Poderes.

O relator aponta que outros denunciados se associaram “por intermédio de uma estável e permanente estrutura montada em frente ao Quartel General do Exército Brasileiro (...) no intuito de modificar abruptamente o regime vigente e o Estado de Direito, a insuflar ‘as Forças Armadas à tomada do poder'”.

Ataques aconteceram no dia 8 de janeiro, com invasão e depredação. (Foto: Joedson Alves/Agência Brasil)
Ataques aconteceram no dia 8 de janeiro, com invasão e depredação. (Foto: Joedson Alves/Agência Brasil)

Moraes diz que não é qualquer manifestação crítica que pode ser tipificada como crime, mas que “são inconstitucionais as condutas e manifestações que tenham a nítida finalidade de controlar ou mesmo aniquilar a força do pensamento crítico, indispensável ao regime democrático”.

Denúncias - Os denunciados respondem por crimes como associação criminosa armada, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado pela violência e grave ameaça com emprego de substância inflamável contra o patrimônio da União e com considerável prejuízo para a vítima e deterioração de patrimônio tombado.

Atualmente, há 294 detidos em decorrência dos atentados de 8 de janeiro. As análises ocorrerão até o dia 24 de abril.

Envolvidos - Na primeira fase do julgamento, cinco pessoas de Mato Grosso do Sul integram a lista: Diego Eduardo de Assis Medina, 55 anos; Djalma Salvino dos Reis, 45 anos; Eric Prates Kobayashi, 40 anos; Fábio Jatchuk Bulmann, 41 anos; e Fabrício de Moura Gomes, 45 anos.

Djalma Salvino dos Reis, 45 anos, é motorista e mora em Itaporã. Em seu perfil nas redes sociais, Salvino se mostra um ferrenho apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro e participou de atos antidemocráticos em Dourados, pedindo intervenção federal e questionando o resultado das urnas. Diego Eduardo Assis Medina reside em Dourados e trabalha na área da construção civil. Fábio Jatchuk é técnico em instalação e manutenção de ar-condicionado, residente em Campo Grande.

Fabrício de Moura é natural de São Paulo, mas mora em Três Lagoas, onde é sócio de uma empresa especializada em fabricação de máquinas e equipamentos para indústria de celulose. Eric Kobayashi é residente em Campo Grande, trabalhava como carteiro nos Correios, mas deixou a empresa em meados de 2013.

Nos siga no Google Notícias