ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 26º

Política

Salários abaixo do mínimo são discutidos em reforma administrativa, diz prefeita

Solução virá "dentro da realidade” da prefeitura, garante Adriane Lopes (Patriota)

Caroline Maldonado | 19/11/2022 14:05
Prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes (Patriota), em seu gabinete. (Foto: Ana Paula Fernandes/Divulgação PMCG)
Prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes (Patriota), em seu gabinete. (Foto: Ana Paula Fernandes/Divulgação PMCG)

A prefeitura de Campo Grande não tem ainda um projeto para resolver a situação de servidores que ganham salários abaixo do mínimo, que hoje é R$ 1.212, mas a prefeita Adriane Lopes (Patriota) garante que a mudança faz parte de reforma administrativa, que está fazendo e a solução virá, porém “dentro da realidade” da prefeitura. Ocorre que os servidores recebem mais do que isso com os acréscimos feitos à remuneração base, mas quando se aposentam o valor cai para menos do mínimo.

Com uma comissão formada para debater o tema, vereadores levantaram o assunto em sessão ordinária, na quinta-feira (17), mas relatam que a discussão não avançou porque não houve proposta da prefeitura.

Há três meses, parlamentares anunciaram reunião com o então secretário Municipal de Gestão, Agenor Mattiello, para discutir o assunto, mas após as eleições, a prefeita mudou o titular da Seges (Secretaria Municipal de Gestão). Mattiello era da gestão do ex-prefeito Marquinhos Trad (PSD), que deixou a prefeitura para ser candidato a governador.

Em discussão - Adriane informou que a nova secretária de Gestão, Maria das Graças Macedo, está conversando e levando à Cogeplan (Comissão Permanente de Gestão dos Planos de Carreiras e Remuneração) esse tema.

A prefeita garante que a discussão não volta ao começo com a troca de secretários, mas admite que o assunto faz parte de uma “construção” dentro de uma reforma administrativa para que possa ser implementado algo dentro das possibilidades dos cofres da prefeitura.

“É uma necessidade do servidor, mas a gente precisa fazer construção. Acho que tudo faz parte do ajuste que nós estamos fazendo. Estamos em uma reforma administrativa e a valorização dos nossos servidores é muito importante. Nós vamos sim dar atenção a essa pauta dentro daquilo que é a nossa realidade. A gente pega a discussão no patamar em que ela está e traz para a gestão para ser discutida aqui dentro e ver a viabilidade”, disse a prefeita ao Campo Grande News, em seu gabinete, na sexta-feira (18).

Vereadores - Na Câmara, a comissão que acompanha o tema é composta pelos vereadores Valdir Gomes (PSD); Alírio Vilassanti, o “Coronel Vilassanti" (União Brasil); Victor Rocha Pires de Oliveira, o “Dr. Victor Rocha” (PP); Marcos Tabosa (PDT) e André Luís Soares, o “Prof. André” (Rede). O vereador Valdir reclamou da demora por uma proposta, durante a sessão na quinta-feira (17).

“Tem cerca de 6 mil servidores nessa situação. A prefeitura não paga quinquênios e mudança de letra. A folha de pagamento era de R$ 95 milhões em 2017 e agora é de R$ 186 milhões. Como, se não aumenta o salário do servidor? Como explica a dobra da folha se não dá aumento? Quando você leva seu filho à escola, tem uma pessoa que está na recepção, ela ganha menos que um salário mínimo. Sabe quanto tempo de serviço eles têm? Têm 10, 20, até 30 anos e ganham menos que um salário mínimo”, disse Valdir.

Nos siga no Google Notícias