ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 13º

Política

Secretários evitam criticar demissões impostas por Nelsinho

Paulo Fernandes e Angela Kempfer | 20/06/2011 19:33

Chamados pelo prefeito Nelsinho Trad de "desleixados, acomodados e descompromissados", os secretários municipais não quiseram fazer críticas públicas ao chefe do Executivo, mesmo depois de assinarem uma carta de demissão.

Alguns secretários se negaram a falar sobre o assunto, outros responderam que a demissão é um direito do prefeito e até elogiaram a atitude de Nelsinho, de cobrar publicamente melhoria do serviço público.

"O cargo é do prefeito, ele é o chefe", resumiu o titular da pasta de Obras, João Antônio De Marco.

Ele afirma que o prefeito generalizou nas declarações à imprensa, mas queria atingir apenas um secretário. "A generalização tem que ser feita. Mesmo que o recado tenha sido para um só", disse.

Já o Secretário de Governo e Relações Institucionais, Rodrigo de Paula Aquino, repetiu por três vezes que não sentiu nenhum constrangimento em ter de assinar a carta. “Todos assinaram”, ressaltou.

“Esse cargo é de nomeação do prefeito, Não senti qualquer constrangimento nisso. O objetivo é a melhora generalizada dos serviços”, afirmou.

Aquino disse ainda estar bastante tranquilo. “Acho que foi atitude oportuna (a declaração de Nelsinho). É uma medida bastante forte e eu tenho a convicção de que temos condições de melhorar, e muito”, disse.

Paulo Sérgio Nahas, secretário municipal de Controle Urbanístico, garante que recebeu as críticas “de uma forma natural”. Ele afirmou que Nelsinho sabe quem está “rendendo” e quem não está. “Eu particularmente estou fazendo o meu possível e o impossível”, afirmou.

Nahas afirmou que às vezes algum secretário se acomoda por ser fim de mandato e precisa de uma conversa. “É uma forma de dar uma melhorada. Qual é o primeiro encaminhamento? É reconhecer que tem alguma coisa errada. É isso que o Nelsinho fez”, disse.

“O cargo é do prefeito. Na sexta-feira, todos os secretários assinaram carta de demissão para o prefeito ficar mais tranquilo e acertar o secretariado da forma que ele quiser. Foi uma iniciativa nossa, para deixar ele mais à vontade. Agora, o nosso destino está nas mãos dele”, conta.

O Secretário de Saúde, Leandro Mazina, não quis comentar as declarações de Nelsinho, mas afirmou que continua trabalhando normalmente. “Como o cargo é de confiança, não posso falar do meu chefe”, explicou.

Maria Cecília Amendola da Motta, da pasta de Educação, atendeu a ligação do Campo Grande News, mas aos ser informada que o telefonema era de uma jornalista, desligou e não atendeu mais.

O Secretário Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Marcos Antonio Moura Cristaldo, não atendeu as ligações.

Entre os diretores de autarquias houve quem falasse sobre o assunto. O diretor-presidente da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Rudel Trindade, chegou até a elogiar a postura do prefeito.

“Trabalhei em muitos cargos públicos e sei que o cargo sempre está à disposição do prefeito. Ele pode requisitar por motivo técnico ou político. A proposta do prefeito vem em um bom momento, falta um ano e meio só para acabar o mandato. Ele quer um gás a mais, um esforço redobrado para entregar a Prefeitura bem”, disse.

Rudel declarou até achar “natural” que no fim do mandato ocorram acomodações e que o prefeito critique os secretários. “Faço paralelo com uma professora, na escola, que ao final do ano pede para os alunos estudarem mais. Para mim, é salutar. Não me senti ofendido, apesar o prefeito ter generalizado, porque não me senti atingido”, afirmou.

O diretor-presidente da Emha (Empresa Municipal de Habitação), Paulo Matos, disse apoiar a atitude do prefeito de obrigar secretários e presidentes de autarquia a assinar o documento de demissão. “O cargo é dele. Eu, como companheiro, tenho que apoiar a atitude dele. É uma satisfação para mim fazer parte da administração”, afirmou.

Sobre as críticas feitas ao secretariado, Paulo Matos afirmou apenas não ter ouvido e que por isso não irá comentar.

Nos siga no Google Notícias