A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017

26/03/2016 11:56

STF apura legalidade da lei que reduziu número de procuradores do TCE/MS

Paulo Yafusso
Alegando relevância da Ação, ministro Teori Zavasscki, do STF, determinou rito abreviado no julgamento do caso (Foto: Divulgação STF)Alegando relevância da Ação, ministro Teori Zavasscki, do STF, determinou rito abreviado no julgamento do caso (Foto: Divulgação STF)

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a adoção do rito abreviado para o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5483, proposta pela Associação Nacional do Ministério Público de Contas (Ampcon). A ação pretende garantir que seja mantido o número de vagas previsto em lei, para os cargos de procurador de Contas. Emenda Constitucional 68/2015, aprovada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, reduz de 7 para 4 o número de procuradores que atuam no âmbito do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O ministro Teori Zavascki deu prazo de 10 dias para que a Assembleia Legislativa do Estado preste informações sobre o assunto, e deu 5 dias para que o Procurador-Geral da República e a Advogado-Geral da União se manifestem. Além disso, com base no artigo 12 da Lei 9.868/1999, ele determinou que a Ação tenha o mérito julgado direto pelo plenário do STF, por entender o “especial significado para a ordem social e a segurança jurídica” do tema.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Júnior Mochi (PMDB), disse hoje (26) que ainda não foi notificado da decisão do ministro Teori Zavascki. Afirmou, porém, que o pedido para que o projeto de emenda constitucional fosse apresentado ao Legislativo partiu do TCE, e antes da sua tramitação passou por uma análise pela equipe técnica tanto do Tribunal como do Legislativo.

“É uma situação que vem ocorrendo em todo o Brasil”, afirmou Júnior Mochi. Segundo ele, a Emenda Constitucional 68/2015 apenas promoveu a adequação de uma situação que já existe. O deputado disse que a legislação prevê 7 cargos de procurador de Contas, mas apenas 4 dessas vagas estavam ocupadas, e o objetivo da ADI apresentada pela Ampcon é manter esses cargos para posterior preenchimento.

Na Ação Direta de Inconstitucionalidade a Ampcon alega que a Emenda aprovada pelos deputados estaduais fere a Constituição Federal, pois somente o TCE que poderia apresentar projeto desta natureza. “Alega a requerente que o Ministério Público de Contas possui autonomia institucional, de sorte que, ao reduzir o número de Procuradores de Contas de 7 (sete) para 4 (quatro), o diploma impugnado afrontaria os arts. 73, 75, 96, II, “b”,127, § 2º, e 130 da Constituição Federal, por usurpar competência legislativa desse órgão para: (i) deflagrar o processo legislativo; e (ii) dispor sobre a criação e extinção de cargos de sua carreira”, diz o ministro Teori Zavascki em despacho datado do último dia 14.

Alvo de inquéritos, TCE nega excesso de funcionários comissionados
O TCE/MS (Tribunal de Contas do Estado) negou, por meio de sua assessoria de comunicação, as informações divulgadas,  hoje (14), pelo MPE (Ministério...
Para maioria dos leitores, os mais votados devem ocupar vagas no Legislativo
Para 53% dos leitores que responderam a enquete do Campo Grande News desta semana, só devem ocupar vagas no Poder Legislativo. Outros 47% responderam...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions